Publicidade
Manaus
PRISÃO

José Melo e Edilene ameaçavam testemunhas e esconderam documentos, diz juíza

Para juíza que decretou prisão do ex-governador e da ex-primeira dama, o médico Mouhamad Moustafa era uma marionete de luxo do casal 04/01/2018 às 09:45 - Atualizado em 04/01/2018 às 10:52
Show fps melo
Melo e Edilene serão transferidos nesta quinta-feira (Foto: Divulgação / FPS)
Amanda Guimarães Manaus

O ex-governador do Amazonas, José Melo, e a ex-primeira dama Edilene Oliveira, estavam ameaçando as testemunhas da Operação Custo Político, desdobramento da operação Maus Caminhos, que apura desvios milionários nas verbas da Saúde no Estado.  

A conclusão é da juíza federal Jaiza Maria Pinto Fraxe, que, após pedido do Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM), decretou a prisão temporária de Edilene e a conversão de temporária para preventiva do ex-governador do Amazonas, na noite dessa quarta-feira (3), em Manaus.

Segundo a juiza, os dois envolvidos teriam também ocultado e destruídos elementos de provas. "Há elementos claros de interferência indevida dos investigados na investigação criminal, na intimidação de testemunhas, na ocultação de bens, na potencial continuidade da prática do crime permanente da lavagem de dinheiro", apontou na decisão.

Conforme o Ministério Público Federal (MPF), que ingressou com o pedido na Justiça para que Melo continuasse preso e Edilene fosse presa, as testemunhas foram ameaçadas por seguranças do casal que utilizavam um veículo S10, de cor branca, para praticar o ato criminoso. "Relataram que este são os veículos utilizados pelos seguranças de Melo e Edilene. (....) também demonstra fortes indícios de intimidação de testemunhas", destacou.

Para justificar a decisão, a juíza também afirmou que os seguranças de Edilene e José Melo seguiam as testemunhas até a sede do Ministério Público Federal. "Descobriram clandestinamente datas, locais e pessoas que serão ouvidas pelos órgãos persecutórios, seguindo testemunhas, até a sede do Ministério Público Federal, como que os ameaçando a não fornecer depoimento verdadeiro", ressaltou.

A juiza também confirmou que “documentos suspeitos” foram retirados da casa do casal, após a visita da Polícia Federal do Amazonas. "José Melo de Oliveira e sua esposa detinham a posse de boxes na cidade de Manaus, onde eram guardados objetos e documentos suspeitos e foram retirados imediatamente após a visita da Polícia Federal na residência do casal, medida essa que deu por ordem judicial de busca e apreensão", alegou. 

Reforma da casa

De acordo com a decisão da juíza, o casal José Melo e Edilene guardavam e utilizavam diariamente grandes quantias de dinheiro vivo. Uma das testemunhas declarou que a reforma da casa do casal adquirida em 2015, foi paga com uma quantia de R$ 500 mil.

Mouhamad Moustafa

Conforme a juíza, José Melo e a ex-primeira dama escolheram o médico e empresário Mouhamad Mustafa para concretizar o plano criminoso no Estado do Amazonas. Segundo a Justiça, o casal era líder do esquema de corrupção. Moustafa foi o principal alvo da primeira fase da Maus Caminhos, em 2016. Era através da empresa dele que ocorriam os desvios de verbas.

"O esquema montado para fraudar o Estado teve como idealizadores José Melo de Oliveira e Edilene de Oliveira como os seus idealizadores e líderes absolutos, os quais escolheram Mouhamad Mustafá para concretizar seu intento criminoso, a partir da constatação que o médico é dotado de personalidade", finalizou a juíza, na decisão.

Publicidade
Publicidade