Publicidade
Manaus
DESVIO

Ex-governador e esposa deixam a PF e são transferidos para unidades prisionais

Os investigados devem passar por exames no Instituto Médico Legal (IM) antes de serem levados aos presídios estaduais na BR-174, onde ficarão presos 04/01/2018 às 14:15 - Atualizado em 04/01/2018 às 14:16
Show transfe
Melo já estava preso desde da semana passada, mas a esposa foi presa nesta quinta-feira (Fotos: Jair Araújo)
acritica.com Manaus (AM)

O ex-governador do Amazonas José Melo e a esposa dele, a ex-primeira dama Edilene Oliveira, foram transferidos na tarde desta quinta-feira (4) para presídios de Manaus após terem sido presos pela Polícia Federal durante no âmbito das investigações da Operação Maus Caminhos, que apura um esquema de propina e desvio de verbas da Saúde do Estado envolvendo o ex-chefe de Estado.

O ex-governador será encaminhado para o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM II), no Km 8 da rodovia federal BR-174, que liga Manaus à Boa Vista. Já a ex-primeira dama, Edilene, será levada para o Centro de Detenção Provisória Feminina (CDPF), situado no mesmo ramal na BR-174. Antes de serem transferidos para as unidades prisionais, os dois devem por exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), na zona Norte da capital.

Cassado por compra de votos nas eleições de 2014, o ex-governador já estava preso temporariamente na sede da PF em Manaus desde o último domingo (31), véspera de Ano Novo. A prisão temporária dele, com prazo de cinco dias, terminaria até hoje (4), mas a juíza federal Jaiza Fraxe converteu ontem (3) a prisão em preventiva e também determinou a prisão preventiva de Edilene, atendendo pedido do Ministério Público Federal (MPF). Edilene foi presa hoje.

Lideravam esquema

Segundo o MPF, o ex-governador e a ex-primeira dama do Amazonas lideravam o esquema de desvio de verbas do Estado, desmantelado pela primeira vez em setembro de 2016, na primeira fase da Operação Maus Caminhos, que teve como principal alvo o médico e empresário Mouhamad Moustafa e a empresa dele, o Instituto Novos Caminhos (INC).

De acordo com as investigações e do que consta na decisão da juíza Jaiza Fraxe, foram feitos pagamentos de até R$ 500 mil em espécie para a reforma em mansão de José Melo e Edilene. Os dois, inclusive, mantinham uma relação próxima a Mouhamad Moustafa, até então visto como o principal líder do esquema de desvio de verbas.

Conforme o MPF e a Justiça, José Melo e Edilene Oliveir, também estavam ameaçando testemunhas da Operação Custo Político, a segunda fase Maus Caminhos. Edilene, inclusive, tentou esconder objetos alvos da operação quando ordenou o arrombamento de boxes alugados por ela e pelo ex-governador em uma empresa de Manaus e levou de lá caixas suspeitas.

Prisão

Esta é a primeira vez que Edilene foi presa na Operação Maus Caminhos. José Melo foi preso pela primeira vez no dia 21 de dezembro, durante a deflagração da terceira fase da Maus Caminhos, denominada de “Estado de Emergência”. Ele conseguiu um benefício na Justiça Federal e saiu da prisão. Entretanto, no domingo (31), véspera de Ano Novo, acabou voltando para a cadeia.

Ex-secretários do governo de José Melo também foram presos na Operação Maus Caminhos, a segunda fase, denominada “Custo Político”. Estão presos dois ex-secretários de Saúde, Wilson Alecrim e Pedro Elias, o ex-secretário de Administração e Gestão Evandro Melo – irmão de José Melo, o ex-secretário de Fazenda Afonso Lobo e o ex-secretário de Casa Civil Raul Zaidan, entre outros.

Maus Caminhos

A operação Maus Caminhos foi deflagrada pela primeira vez em setembro de 2016 com foco em desmantelar uma quadrilha especializada em desviar recursos públicos do Fundo Estadual de Saúde do Amazonas através de contratos com empresas terceirizadas, sendo a principal operadora do esquema o Instituto Novos Caminhos (INC), de propriedade de Mouhamad Moustafa e que inspirou o nome da operação. Na época, a PF afirmou que mais de R$ 110 milhões foram desviados.

LEIA MAIS

Ex-primeira dama é presa e José Melo tem prisão preventiva decretada pela Justiça

Melo e Edilene lideravam desvios da Maus Caminhos, diz juíza; veja trechos da decisão

Publicidade
Publicidade