Publicidade
Manaus
CASO OSCAR CARDOSO

Julgamento do narcotraficante ‘João Branco’ tem início nesta sexta (25) em Manaus

Interrogatório, que será realizado via videoconferência no Fórum Ministro Henoch Reis, poder durar até três dias 24/08/2017 às 16:22 - Atualizado em 25/08/2017 às 09:13
Show show show jo o
(Foto: Evandro Seixas)
Tiago Melo Manaus (AM)

Tem início na manhã desta sexta-feira (25), em Manaus, o julgamento do narcotraficante João 'Branco' Pinto Carioca, principal personagem e acusado de ser o mandante do assassinato do delegado Oscar Cardoso, em março de 2014.

'Branco', que está preso na Penitenciária Federal de Catanduvas, no interior do Paraná, será julgado via videoconferência no Fórum Ministro Henoch Reis, localizado na Rua Paraíba, bairro São Francisco, na Zona Sul de Manaus.

Adiado quatro vezes, o caso também leva a julgamento os réus Marcos Pará, Messias, Diego Bruno e Mário Jorge. Os cinco serão ouvidos pela 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus.

Segundo informações da assessoria do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), o júri pode durar até domingo (27).

Habeas Corpus negado

A Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) negou nesta quinta-feira (24) o pedido dos advogados de 'João Branco', que alegaram ilegalidade na decisão do juiz que determinou seu interrogatório por videoconferência.

A decisão foi por unanimidade, na sessão da última segunda-feira (21), de acordo com o voto do relator, desembargador João Mauro Bessa, em consonância com o parecer do Ministério Público, no Habeas Corpus nº 4002098-09.2017.8.04.0000.

De acordo com o processo, os advogados questionaram decisão do magistrado de primeira instância por ele autorizar a presença dos corréus perante o conselho de sentença e por não ter deferido o mesmo em relação ao paciente, mesmo após expressa manifestação da defesa em contrário.

Em seu voto, o relator afirma não vislumbrar qualquer constrangimento ilegal a que estaria submetido o réu, que a medida é legítima e encontra respaldo em jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça.

Publicidade
Publicidade