Publicidade
Manaus
POSSÍVEL MUDANÇA

Julgamento do 'caso Oscar Cardoso' pode ser adiado por ausência de réu em Manaus

Envolvido na morte do delegado Oscar Cardoso da Silva, Marcos Roberto Miranda da Silva, o “Marcos Pará”, de 31 anos, não estará no julgamento 30/06/2017 às 10:46 - Atualizado em 30/06/2017 às 11:15
Show f rum
Foto: Reprodução/Internet
Rafael Seixas e Amanda Guimarães Manaus (AM)

O réu Marcos Roberto Miranda da Silva, o “Marcos Pará”, de 31 anos, não estará nesta sexta-feira (30) no julgamento da morte do delegado Oscar Cardoso da Silva. Segundo o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), a promotoria e o juiz Anésio Rocha estudam a possibilidade de ser adiado o julgamento de hoje.

Ainda de acordo com o órgão, Marcos Pará está preso na Penitenciária Federal de Mossoró (RN) e a Polícia Federal não o trouxe para Manaus para participar do julgamento. Ele devia ter chegado ontem à cidade onde ficaria aguardando o horário do julgamento em cela na sede da PF.

O juiz está vendo se pode continuar os trabalhos só com os outros réus. Os três já foram conduzidos pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) até o Fórum Ministro Henoch Reis.

O julgamento foi adiado duas vezes. Dois a pedidos pela Seap, respectivamente em dezembro 2016 e abril de 2017. A terceira foi por conta da videoconferência, em maio deste ano, pois o TJ-AM não teria tempo hábil para preparar tudo até a data.

Mais cedo, o advogado de Marcos Pará, Egnaldo Gonçalves de Moura, disse à reportagem que ainda não tinha conversado com o seu cliente e que acreditava que o caso teria uma reviravolta.

Dos cinco réus, apenas João Branco será interrogado por meio de videoconferência. O réu está preso na Penitenciária Federal de Catanduvas, no interior do Paraná. Os demais acusados - Messias, Diego Bruno e Mário Jorge - estão presos em presídios de Manaus.

Publicidade
Publicidade