Quinta-feira, 19 de Setembro de 2019
Manaus

Justiça autoriza Marcelaine Schumann a sair da cadeia para prestar depoimento, amanhã

Pedido havia sido feito pelo delegado Paulo Martins, da DEHS, que investiga o caso, no dia 8 de janeiro. A oitiva está prevista para acontecer às 9h30 desta quinta-feira (15)



1.jpg Marcelaine (à dir) é apontada como mandante da tentativa de homicídio
14/01/2015 às 12:36

 Está confirmado para as 9h30 desta quinta-feira (15) o depoimento da socialite Marcelaine Santos Schumann, 36. A saída de "Elaine", como é conhecida, do Centro de Detenção Provisória Feminino (CDP), onde ela está presa desde o dia 5, foi autorizada nesta quarta-feira (14) pela juíza Mirza Telma de Oliveira.
 
A decisão da juíza atende a um pedido feito pelo delegado titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Paulo Martins, no dia 8 de janeiro, e que teve parecer favorável do Ministério Público Estadual (MPE). Marcelaine deve prestar depoimento na própria DEHS, de acordo com o delegado Paulo Martins. O depoimento dela é o último que falta para que ele possa concluir o inquérito e encaminhá-lo para a Justiça. A estimativa do delegado é que o inquérito seja remetido à Justiça até  a próxima sexta-feira (16).

Prisão

Marcelaine foi presa no dia 5 de janeiro ao desembarcar de um voo vindo de Miami, no aeroporto internacional Eduardo Gomes, em Manaus, pela Polícia Federal, por suspeita de ter “encomendado” a morte da empresária Denise Almeida da Silva, de 34 anos, baleada quando saía da academia Cheik Clube, no Centro de Manaus, no dia 12 de novembro. Após o crime, ela viajou para Miami e chegou a ser incluída na lista de procurados da Polícia Federal e da Interpol. Ela está presa no CDP feminino, no quilômetro 8 da BR-174, em Manaus.

Trama

A trama do crime foi revelada pelos suspeitos Rafael Lael dos Santos, o “Salsicha”, autor dos disparos contra Denise; Charles Mac Donald’s Castelo Branco, que fez a intermediação do crime entre Salsicha e Elaine; e Karen Arevalo Marques, 22, que arrumou a arma usada no crime, um revólver calibre 38. Além deles, a polícia ainda prendeu Ediney Costa Gomes, 26, que forneceu a arma do crime.


Mac confessou que conheceu Elaine quando trabalhava como promotor de vendas de uma loja de cosméticos no Studio 5. Segundo ele, Elaine ofereceu a ele R$ 7 mil para assassinar Denise ou deixá-la aleijada. Ele disse ter chamado Salsicha e oferecido R$ 3,5 mil a ele, que topou fazer o “serviço”. O atirador procurou Karen dizendo que precisava de uma arma, e ela conseguiu o revólver com Itaituba. Ela recebeu R$ 200 por isso.

Elaine forneceu a fotografia da vítima aos executores, assim como os locais – academia, salão de beleza e faculdade – e os endereços onde Denise poderia ser encontrada. Salsicha escolheu a academia para executar a vítima, porém não conseguiu alcançar o objetivo. “Só dei três tiros nela porque eu não queria matá-la” revelou Salsicha.

Reviravolta

Esta semana, uma reviravolta marcou o caso, depois que imagens de um encontro entre Marcelaine e Charles foram divulgadas na mídia. O advogado de defesa de Marcelaine, José Bezerra, revelou que a cliente dele havia contratado Charles, por R$ 7 mil, para cobrar uma dívida de R$ 40 mil de Marcos. A defesa de Charles, por sua vez, confirmou a versão e informou que, como Marcos não estava no carro de Denise no dia do atentado, deixou o local.

A versão "coloca" a responsabilidade pelos disparos contra Denise em Salsicha, que ainda não se pronunciou sobre as acusações do comparsa.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.