Publicidade
Manaus
INVESTIGAÇÃO

Laudo de reconstituição do acidente que matou sargento no Tarumã sai em 15 dias

Um ano após a morte do sargento da PM Sérgio Ramos, Justiça realizou nova simulação no local da colisão. Motorista da BMW que colidiu com a motocicleta do militar não compareceu 20/02/2019 às 02:33
Show zcid0420 13 p02 aa6675b2 0880 45b4 9549 6bf712f50130
Foto: Arquivo/AC
Izabel Guedes Manaus (AM)

O resultado de um novo laudo sobre o acidente de trânsito que matou o sargento da Polícia Militar Antônio Sérgio Ramos, em fevereiro de 2018, deve ser concluído em 15 dias. Ontem, uma reconstituição foi feita no local do acidente, na avenida Santos Dumont, no Tarumã, na Zona Oeste de Manaus. A medida foi determinada pela Justiça após a família contestar o resultado da perícia, que responsabilizou o policial pelo acidente, e apresentar outro laudo pericial feito por um especialista contratado pelos familiares do policial, contestando a versão de que Ramos entrou na contramão.

A reconstituição foi realizada no fim da tarde dessa terça-feira (19). Acompanharam a simulação no local, testemunhas, familiares, policiais e o advogado da família.  O motorista da BMW que colidiu com a motocicleta do sargento, Clóvis de Oliveira Maia Filho, e nem o advogado de defesa dele compareceram. 

Um dos filhos do militar, Antônio dos Santos contou que a presença das partes contrárias não era uma obrigatoriedade e espera que, com esse novo laudo, a Justiça enfim seja feita. “A perícia particular contradiz a perícia oficial e quando isso foi colocado nos autos do processo, por um dos advogados, a promotora viu e pediu a reconstituição por causa das divergências, inclusive das duas testemunhas. Por isso ela determinou a reconstituição simulada, o que vai ajudar a esclarecer os fatos. O meu pai não entrou na contramão, pela cena do acidente dava para ver isso. Então, com esse novo laudo, a gente espera que o culpado apareça realmente, os fatos sejam esclarecidos e ele seja punido. Que a Justiça seja feita”, disse.

Para o advogado da família, Juarez Rosa houve falhas na reconstituição, mas apenas com os resultados do novo laudo será possível fazer algum tipo de contestação.

“A perita me falou que o resultado deve sair antes ou em 15 dias. Mas teve uma coisa estranha, onde foi colocada a moto do policial,  como se estivesse na contramão, mas em momento nenhum as testemunhas disseram isso. E isso deu a entender que a culpa tinha sido da vítima. No primeiro laudo foi dado culpa para a vítima, mas nenhuma das testemunhas disse isso. Eu, na posição de advogado, não pude interferir no trabalho da perícia, mas questionei e vamos aguardar o laudo. Diante do laudo, a gente vai analisar e tomar as medidas necessárias para o andamento do processo”, explicou.

Os peritos no local não quiseram falar com a reportagem.

Fugiu sem prestar socorro

A reportagem entrou em contato com o advogado do empresário Clóvis de Oliveira Maia Filho, motorista da BMW que se envolveu no acidente, mas as ligações não foram completadas. Clóvis, segundo os familiares do sargento, está respondendo ao processo em liberdade.

No dia 8 de fevereiro de 2018, o sargento Antônio Sérgio Ramos, corneteiro da Polícia Militar, morreu após um carro modelo BMW/320I bater contra a motocicleta que ele conduzia, por volta das 16h, na avenida Santos Dumont,  no bairro Tarumã,  próximo ao Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. O sargento estava retornando para casa após tocar na marcha fúnebre do enterro de um integrante da Tropa de Choque.

Na época, as testemunhas  do acidente disseram que o condutor do veículo não prestou socorro à vítima e fugiu do local. Dias depois, o  empresário foi indiciado por homicídio culposo, sem intenção de matar. Em depoimento à Polícia Civil, ele disse que o militar invadiu a contramão e por isso não teve como evitar o acidente.

Publicidade
Publicidade