Publicidade
Manaus
ACIDENTE

Laudo sobre acidente com fios elétricos na comunidade da Sharp sai na sexta-feira

Diretores da Eletrobrás Amazonas Energia falam sobre acidente que vitimou casal na Comunidade da Sharp 08/06/2016 às 11:13 - Atualizado em 08/06/2016 às 14:46
Show show 1092334
Andressa e Paulo Maciel explicaram a posição da Eletrobras (Foto: Antônio Menezes)
Luana Carvalho

O laudo que apontará a causa do rompimento do fio de média tensão no último domingo, que matou duas pessoas na rua Oriente, na Comunidade da Sharp, Zona Leste, deve sair na próxima sexta-feira. Em entrevista ao A CRÍTICA, diretores da concessionária Eletrobrás Amazonas Energia lamentaram o acidente e frisaram que as linhas de cerol utilizadas para soltar pipas podem ter sido a principal causa do rompimento do cabo, conforme investigações preliminares de técnicos da empresa e do Corpo de Bombeiros.

Nos últimos meses, a tradicional brincadeira de papagaio virou febre em Manaus, seja durante o dia ou à noite. O problema, segundo o diretor de operações da capital, Paulo Maciel, é que o cerol (mistura de vidro e cola) e a famosa ‘linha chilena’ (ainda mais cortante) desgastam a fiação elétrica, mesmo que ela esteja nova, causando preocupação aos diretores da empresa. “A rede elétrica pode estar nova, mas com cerol, vamos ter problemas dessa natureza, independente de estar desgastada ou não”.

Segundo ele, o depoimento do tenente do Corpo de Bombeiros e de alguma testemunhas apontaram que no momento do acidente, crianças estavam brincando de pipa na rua. “Recebemos a informação de que o papagaio estava engatado no cabo, e que a criançada estava forçando o cabo que veio a romper. Isso nos traz preocupação”. Ele ressaltou que, para evitar problemas como estes, a empresa faz campanhas informando a população dos perigos entre a brincadeira e a rede elétrica frequentemente.

No local, a equipe de reportagem constatou muitas pipas nos fios, porém os moradores alegam que já haviam solicitado reparo da fiação diversas vezes. Sobre a ‘tragédia anunciada’, os diretores informaram que houve um levantamento das possíveis notificações dos moradores, mas não foram encontrados registros por meio do teleatendimento ou de ofícios por parte da comunidade.

‘Conscientização’

A diretora comercial da Eletrobrás, Andressa Oliveira, explicou que a concessionária realiza as campanhas para que a população tenha conhecimento do perigo de brincar próximo de fios elétricos. “É preciso que a sociedade como um todo entenda e abrace essa causa. A gente não tá falando apenas de soltar papagaios, mas da ‘poda’ de árvores, construção de imóveis próximo da rede e principalmente ligações clandestinas que influenciam a rede elétrica e colocam os equipamentos sob estresse extra, com métodos que não são adequados, expondo a sociedade a um risco”.

Sobre as outras reclamações que surgiram nas redes sociais após o acidente, o diretor Paulo Maciel reiterou que a empresa tem um plano de manutenção preventiva. Citou, ainda, que várias ruas da Comunidade da Sharp haviam recebido reparos na rede elétrica recentemente, mas não foi o caso da rua Oriente, onde aconteceu o acidente. “Volto a dizer que a empresa está bastante sensibilizada. Queríamos registrar isso. Estamos como diretores, mas somos pessoas e ficamos muito sentidos”, frisou .

Pai de vítima cobra auxílio de empresa

O pai de Pedro Ferreira Neto, de 11 anos, uma das vítimas que está internada no Hospital Pronto Socorro Joãozinho, informou que a Eletrobrás Amazonas Energia não entrou em contato para prestar apoio. “Além do meu filho, o colega dele, Vitor Matos (de 14 anos) está internado. Eu estou tentando a transferência dos dois para um hospital particular, que vai me custar quase R$ 50 mil pelo tratamento dos dois, pois não tem condições de deixá-los no Joãozinho. Está tudo precário, uma imundice”, denunciou Pedro Paulo Ferreira, 41. Segundo ele, o chuveiro da enfermaria onde as crianças estão internadas não funciona, há goteiras e os colchões estão em péssimo estado. A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) informou que as equipes de limpeza atuam 24 horas, que o chuveiro apresentou problema pontual, mas que a equipe técnica já foi solucionada.

Acidente deixou um casal morto

O acidente com o fio de média tensão aconteceu no último domingo e levou a óbito o casal Valdeana Nascimento, 28 e Valdemir Rodrigues, 40. Outras seis pessoas continuam internadas. Todas saíram do estado de saúde grave para estável, segundo informações da Secretaria de Estado de Saúde (Susam).

Publicidade
Publicidade