Publicidade
Manaus
REABILITAÇÃO

Lavador de carros envolvido em briga em semáforo ainda espera por reabilitação

Situação de Celso continua mobilizando pessoas nas redes sociais. Um mês depois, ele permanece nas ruas sem tratamento contra o vício em drogas 27/06/2017 às 16:52 - Atualizado em 27/06/2017 às 17:33
Show 5b217979 6395 4c27 8f6f c7c1cde6fafd
Foto: Divulgação/Arnaldo Rocha
Vinicius Leal Manaus (AM)

Ainda gera repercussão nas redes sociais a história do lavador de carros e morador de rua Celso, que ficou conhecido em Manaus após aparecer em um vídeo se envolvendo em uma briga em um semáforo – jogando sabão sobre o vidro de um veículo – e depois sendo agredido. Cerca de um mês depois do ocorrido, ele permanece pelas ruas da capital.

Uma das pessoas que se mobiliza pelo caso é o publicitário Arnaldo Rocha, de 34 anos. Segundo ele, o poder público ainda não iniciou o processo de reabilitação do morador de rua. “Pouco mais de um mês daquela repercussão eu fiz um post sobre ele. Encontrei com ele, a gente almoçou e conversou. Como ele fica muito na minha rota, eu procuro por ele, para saber se ele está bem”, disse.

Segundo o publicitário, na época que o vídeo de Celso foi divulgado, funcionários da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh) prometeram reabilitá-lo em um dos centros de tratamento da capital, mas até o momento isso não ocorreu. “Eles foram aos jornais dizer que o Celso tinha vaga na Fazenda da Esperança. Já vai terminar junho e não acontece nada. Até agora ele continua nas ruas, correndo risco”, disse.

Conforme Arnaldo, o lavador de carros precisa ser imediatamente retirado das ruas. “É uma pessoa que está muito vulnerável. Por isso resolvi fazer uma nova postagem nas redes sociais para conseguir uma posição. A única resposta que eu tive é que estão preparando uma base emocional para o Celso ir, que não é simples como parece. Mas não sei como se constrói base emocional se ele ainda está na rua, se tem acesso a drogas e pode sofrer violência”.

Para o publicitário, Celso deveria ser acolhido em algum abrigo. “Não quero me meter no trabalho de ninguém. Mas foi uma declaração deles, dizendo que tinha vaga para o menino. O que a gente precisa é acompanhar o caso com informações, e eu estou na minha posição de cidadão de cobrar. De ser a voz dele, porque ele não tem como reclamar”, explicou Arnaldo Rocha.

Resposta da prefeitura

Em nota, a assessoria de imprensa da Semmasdh informou que funcionários da secretaria estão realizando o atendimento de Celso. “O acompanhamento é contínuo e precisa-se estabelecer vínculo para que o jovem seja inserido na Fazenda da Esperança. Os exames clínicos foram realizados, mas quando chega o momento de direcioná-lo ao tratamento, ele foge do local”.

“Ontem mesmo, segunda-feira (26), ele foi ao Centro Pop, pegou o almoço e saiu, não esperando o atendimento técnico. A abordagem social o localizou na rua e, por ele estar sob efeito de drogas, se recusou a acompanhar a equipe. A situação de rua é um cenário que ele vivencia há muito tempo e na tentativa de mudar essa realidade detectamos uma ‘resistência’ por parte dele”, completou a nota da secretaria.

O órgão informou ainda que continua trabalhando na tentativa de reabilitar o lavador de carros e não há prazo estabelecido para isso. “A Prefeitura de Manaus e a Semmasdh não estão omissas diante desta situação e as ações respeitam a política assistencial e o usuário. Com relação a prazos, ainda não podemos definir já que existe essa resistência em realizar o acompanhamento”.

Publicidade
Publicidade