Publicidade
Manaus
Manaus

Lei de resíduos sólidos pode não ser cumprida no Amazonas

Segundo o Ipaam, Antonio Ademir Stroski, os fatores que têm influenciado o atraso são as limitações geográficas dos municípios do Amazonas e a falta de assessoramento técnico para que os prefeitos encontrem áreas adequadas para a destinação do lixo 25/07/2013 às 09:49
Show 1
Na manhã desta quarta (24), o Estado entregou oito coletores a municípios do interior
jornal a crítica Manaus

A Lei Federal 12.305/2010, que estipula que até 2014 todas as cidades do Brasil tenham destino correto para os resíduos sólidos, pode não ser cumprida a tempo pelos 62 municípios do Amazonas.

Segundo o Presidente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Antonio Ademir Stroski, os fatores que têm influenciado o atraso são as limitações geográficas dos municípios do Amazonas e a falta de assessoramento técnico para que os prefeitos encontrem áreas adequadas para a destinação do lixo.

Um exemplo desse problema é o Município de Nhamundá onde, de acordo com Stroski, não existe uma área na cidade que permita a criação de um aterro sanitário. “A cidade toda é ocupada, a solução seria então um aterro fora da cidade, mas Nhamundá faz fronteira com o Pará”.

Apesar do prazo curto, municípios como Barcelos e Codajás já estão em processo de adequação. Segundo o Ipaam, pelo menos 30 cidades já indicaram a área para aterros e estão em processo de estudo topográfico.

De acordo com a secretária Estadual de Meio Ambiente, Kamila Amaral, o Amazonas foi o único Estado do Brasil a cumprir o prazo, até agosto de 2012, para a apresentação dos Planos Integrados de Gestão de Resíduos Sólidos.

Dos municípios do Amazonas, apenas Tapauá e Boca do Acre não entregaram o plano no prazo, condição para que os municípios tenham acesso a recursos diretos da união ou de financiamentos, destinados a empreendimentos e serviços relacionados à limpeza urbana e ao manejo de resíduos sólidos.

Para ajudar a cumprir o prazo, o Ipaam tem trabalhado junto às prefeituras na remediação dos atuais lixões e orientando os prefeitos para que sejam rápidos na definição de área para construção de aterros.

Caminhões coletores

Na manhã desta quarta (24), os municipios de Anorí, Barcelos, Codajás , Eirunepé, Fonte Boa, Ipixuna, Novo Airão e Urucará receberam caminhões coletores de lixo. Segundo a SDS, cada caminhão custou R$ 259.695. Além dos oito caminhões que foram entregues, outros 12 estão em processo de aquisição.

Publicidade
Publicidade