Publicidade
Manaus
Demissões no DVisa

Liberação de hotel interditado durante operação resulta em demissões na DVisa

Diretora e gerente que liberaram o funcionamento de hotel fechado na operação " Centro Seguro" são demitidos 09/08/2013 às 09:13
Show 1
Secretário Evandro Melo confirmou a exoneração dos antigos auxiliares
Mariana Lima Manaus

A diretora do Departamento de Vigilância Sanitária (Dvisa), Eliane de Andrade Fernandes, e o gerente de Engenharia Sanitária, Pedro Contente, foram demitidos dos cargos após liberarem o funcionamento do Real Hotel, um dos estabelecimentos interditados durante a operação “Centro Seguro”.  A demissão da servidora foi oficializada por meio do Diário Oficial do Município e confirmada pelo titular da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Evandro Melo.

Localizado na rua Doutor Almínio, o Real Hotel foi um dos 16 estabelecimentos fechados e autuados por não apresentar condições de higiene para receber hóspedes. O hotel não tinha alvará de funcionamento para motel, ocupação que exercia tranquilamente a luz do dia.

Na segunda-feira, A CRÍTICA constatou que o Real Hotel funcionava normalmente, apesar de haver placas e adesivos confirmando a interdição do imóvel. O titular da Secretaria Extraordinária de Revitalização do Centro (Semex), Raphael Assayag, informou que, após a denúncia feita pelo jornal, uma equipe da prefeitura foi deslocada ao local, mas foram surpreendidos por um documento de liberação assinado pela então diretora da Dvisa, Eliane Fernandes.

Na quinta-feira(08) o titular da Semsa confirmou o afastamento de Eliane e de outro gerente da Dvisa, Pedro Rodrigues Contente, responsável pela parte de fiscalização de engenharia da Vigilância Sanitária. “Decidimos abrir uma sindicância para apurar se teve irregularidades de fato. Queremos saber se os dois servidores praticaram algum desvio de função e se interromperam todo o procedimento administrativo e os trâmites legais que o proprietário do hotel precisava cumprir”, disse Evandro Melo.

As placas de interdição que haviam sido retiradas da entrada do Real Hotel reapareceram na manhã de quinta-feira(08). As duas entradas do estabelecimento também estavam lacradas e fechadas com cadeados.

Publicidade
Publicidade