Publicidade
Manaus
Manaus

'Likes' e '#xatiados': internautas comentam PL contra lavagem de carros e calçadas com mangueiras

Conforme noticiado pela versão impressa do jornal, o projeto de lei, de nº 324/2014 e autoria do vereador Plínio Valério (PSDB), atualmente tramita na CMM 08/01/2015 às 17:50
Show 1
'Lá no centro os flanelinhas deixam as mangueiras ligadas mesmo depois do uso', disse uma leitora
Lucas Jardim Manaus (AM)

Vários internautas tomaram a página do A CRÍTICA na rede social Facebook para se manifestar sobre o projeto de lei que quer proibir a lavagem de carros e calçadas com mangueiras de água em Manaus.

Conforme noticiado pela versão impressa do jornal, o projeto de lei, de nº 324/2014 e autoria do vereador Plínio Valério (PSDB), atualmente tramita na Câmara Municipal de Manaus (CMM) e está sendo analisado pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) desde o dia 15 de dezembro.

O cerne da preocupação dos que concordam com a medida está no desperdício de água e no óbvio impacto ambiental que decorre dele. “Concordo! Povo sem noção! Pessoas preguiçosas que em vez de usar vassoura pra tirar terra da calçada, usam mangueira...”, bradou Antônia Melo.

Akio Guimarães também foi categórico ao criticar o mau uso da água pela população. “Tá mais que certo... a galera de São Paulo um dia teve a chance que temos hoje, não preservaram a água que tinham e agora estão na m****. Depois que inventaram água encanada, muita gente esqueceu que existe vassoura e tira a sujeira das calçadas com água”, disse.

De sua parte, Diene Souza aplaudiu a iniciativa. “Ai, até que fim alguém pensa na água, que um dia pode acabar. No Bairro da Paz, tem um pessoal que lava a garagem todo os dias, sério... Eu fico louca com isso”, comentou ela.

Muitos leitores mostraram uma preocupação específica com os flanelinhas, que muitas vezes passam longos períodos de tempo lavando veículos sem nenhum controle sobre a água que consomem. “Demorou não é? Lá no centro os flanelinhas deixam as mangueiras ligadas mesmo depois do uso”, disse Glória Pinheiro.

No entanto, alguns comentários, ainda que concordando com os objetivos da medida, mostram-se contrários a ela por achá-la exagerada ou ineficiente.  “Deveria ser a própria consciência de cada um, afinal, você pode sim lavar sua calçada ou carro, mas com baldes para que não tenha desperdício”, ponderou Sílvia Alvarenga.

Da mesma forma, Alcemir Furtado se posicionou a favor da educação. “Conscientização não precisa de lei, precisa de campanhas educativas nas escolas maior participação dos órgãos públicos, [de um] compromisso maior das pessoas que foram eleitas gerenciar o dinheiro do povo”, declarou.

Outros, focando-se principalmente no argumento de que Manaus possui uma infinidade de outras questões a serem resolvidas, atacaram ferrenhamente a proposta. “Vereador não tem o que fazer mesmo. Levantem-se de suas cadeiras e facam como o prefeito. Venham para as ruas conversar com o povo para ver as necessidades, facam uma lista de prioridades e elaborem projetos de qualidade, o povo agradece”, comentou Edson Câmara.

Caio Silva se posicionou de maneira similar. “Existem situações que necessitam de lei urgentes e essas sim deveriam estar em pauta. Não [deveria se] perder tempo com algo tão efêmero”, finalizou.

O projeto

O projeto de lei municial 324/2014 quer proibir a lavagem de carros e calçadas com mangueiras de água e prevê pagamento de multa para quem for flagrado descumprindo a norma. O projeto também quer obrigar que todo lava jato, mesmo os que possuem poços artesianos, tenham hidrômetro. Além de medidores de água individuais nos condomínios.

No texto, o vereador cita dados de desperdício do uso doméstico da água. Plínio Valério informa, com base em dados da Agência Nacional de Água (ANA), que aproximadamente 40% da água captada e tratada para distribuição se perde no caminho até as torneiras, devido à falta de manutenção das redes e a falta de gestão adequada do recurso.

Publicidade
Publicidade