Domingo, 21 de Julho de 2019
DEMORA NO ATENDIMENTO

Espera para exame de ultrassonografia no Amazonas tem mais de 8,6 mil pacientes

Milhares de pessoas aguardam autorização da Susam para a realização do procedimento com Doppler venoso. Os dados são do Ministério Público do Amazonas (MP-AM)



exame_5C9792DD-F44E-47F5-909B-3CE34EC48308.JPG A Susam ressaltou que o aumento da oferta de procedimentos depende da contratação de novas vagas e que a chamada dos pacientes em fila de espera obedece o critério de classificação de risco. Foto: Reprodução/Internet
27/12/2018 às 02:42

Quase 9 mil pessoas aguardam autorização para fazer o exame de ultrassonografia com Doppler venoso na rede estadual de Saúde. Os dados foram informados no Diário Oficial do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), que instaurou inquéritos para verificar a falta do serviço nos hospitais públicos do Estado e a espera de mais de dois anos pelos exames.

De acordo com a publicação, 8.665 pessoas esperam pela autorização que, atualmente, atende pacientes com solicitações feitas em maio de 2016. A ultrassonografia com Doppler venoso serve para o cirurgião vascular verificar doenças como varizes e trombose.

A promotora Silvana Cabral, titular da 58ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa da Saúde Pública, disse ao A CRÍTICA que as filas para exames e consultas eletivas são um problema que se arrastam há anos, e o principal gargalo é a falta de gestão de informações no Sistema de Regulamentação (Sisreg).

O levantamento das informações foi desenvolvido em uma parceria entre o Ministério Público, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) e a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). Na verificação, foi observado também que há 150 pacientes esperando para realizar exame de angiotomografia de carótidas e vértebras.

Sem informação

Para o exame de Holter 24h - solicitado quando o paciente apresenta sintomas frequentes de tonturas, palpitações ou falta de ar, que podem indicar alterações cardíacas - não foi possível obter os dados devido à falta de informações no Sistema de Regulamentação que não é alimentado.

“Temos uma grande demanda e pouca oferta de serviços e vemos isso nas filas. Como o Estado não se organiza, nem mesmo ele sabia o tamanho da demanda que ele tinha porque perdeu a conta do número de serviços. O Ministério da Saúde pede isso para vermos a quantidade real de procedimentos e ainda hoje não sabemos a quantidade de cirurgias eletivas que precisa realizar porque nem todos estão ligados no Sisreg”, explica a promotora. 

Questionada sobre os inquéritos em andamento, a Susam ressaltou que o aumento da oferta de procedimentos depende da contratação de novas vagas. “Para os pacientes em fila de espera a ordem de chamada obedece o critério de classificação de risco, no qual a prioridade é para  quem está mais grave”, informa em nota.

Comentário: Silvana Cabral, promotora de Justiça

O Estado não tem controle dos procedimentos. Em Anamã, por exemplo, 70 pessoas tinham senhas para agendar os exames. Pessoas que trabalharam para o governo há 3, 4 anos continuavam acessando o sistema e agendando consultas e exames a seu bel-prazer. Agora temos um médico regulador para verificar os agendamentos e as filas começaram a andar.

Temos uma demanda muito grande, uma limitação financeira que não se pode ignorar, tem desvios de medicamentos, mão de obra ociosa, inúmeros problemas que comprometem o sistema.

O problema de ter pacientes fazendo hemodiálise dentro dos prontos-socorros, que era secular, hoje está resolvido, mas temos os pacientes de ortopedia esperando por procedimentos desde 2015.

Esses são problemas de raiz. Eles não se resolvem mudando apenas um gestor, é preciso mudar a mentalidade de tratar com o serviço público, acima de tudo. Tem que criar mecanismos de controle do sistema, inclusive com controle de frequência de todos que trabalham na área de saúde, independente de ser médico ou faxineiro.

Exames auxiliam cardiologistas

O exame de ultrassonografia com Doppler venoso é solicitado para verificar o fluxo sanguíneo e a possibilidade de desordem venosa aguda, como a trombose e aneurismas, e venosa crônica, que vão de varizes à úlcera venosa. O exame é feito por angiologistas, cirurgiões vasculares, cardiologistas e radiologistas.

O Holter 24h é um tipo de eletrocardiograma realizado no período de 24 horas para avaliar o ritmo do coração. Ele é útil no diagnóstico de problemas cardíacos, como arritmias e isquemia cardíaca, por exemplo.

A angiotomografia é um exame para avaliar o comprometimento dos vasos sanguíneos do coração e evidenciar a presença de placas de cálcio ou de placas de gordura nas veias coronárias, e também em outras áreas do corpo, como pulmões e rins.

A colangiopancreatografia retrógrada endoscópica é um exame  de diagnóstico que associa raios-X e endoscopia, permitindo avaliar os canais biliares, canais pancreáticos e vesícula biliar. Ele serve para detectar cálculos biliares, obstruções e lesões no pâncreas e vesículas.

A endoscopia é um exame para diagnosticar doenças como gastrite, úlcera gástrica ou duodenal, hérnia de hiato e refluxo. Segundo os inquéritos instaurados pelo Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), o Estado não tem conseguido atender a demanda dos exames e diagnósticos de pacientes.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.