Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019
Manaus

Lojistas e ambulantes do centro resistem às mudanças exigidas pela prefeitura de Manaus

As mudanças fazem parte do programa Viva Centro, que tem o objetivo de organizar o passeio público e conscientizar os lojistas, mas alguns comerciantes desrespeitam a medida e continuavam a utilizar as calçadas como extensão da loja



1.jpg Lojas continuam expondo seus produtos nas calçadas sem problema
16/09/2013 às 10:18

No último sábado (14) foi a vez das Avenidas Eduardo Ribeiro (entre a Avenida Sete de Setembro e a Rua Saldanha Marinho) e Sete de Setembro (entre a Rua da Instalação e a Avenida Getúlio Vargas) receberem a terceira fase do programa Viva Centro, que tem o objetivo de promover o reordenamento da área. Entretanto, nesse domingo (15) a reportagem do jornal A CRÍTICA esteve no local para constatar as mudanças e presenciou que alguns comerciantes desrespeitavam a medida e continuavam a utilizar as calçadas como extensão da loja, o que atrapalhava o trânsito de pedestres.

“É preciso que a Prefeitura coloque fiscais para evitar que eles façam isso, caso contrário, no dia seguinte os comerciantes ocupam de novo as calçadas”, comentou a funcionária pública, Alice Moraes.



Para a ambulante, Maria José da Silva, as orientações dadas pela Prefeitura são um incentivo para todos fazerem a sua parte para organizar o Centro de Manaus. “A ideia de padronizar as barracas é bem-vinda e, sem dúvida, irá ajudar a tornar a cidade mais bonita”, acredita a vendedora, que já trabalha como camelô há cerca de 30 anos.

Entre as ações do programa está também a recuperação de calcadas, meios-fios, sarjetas, limpeza, retirada de lixo e, ainda, aferimento de pressão e teste de glicemia na população.

Durante a ação, no sábado (14), dois comerciantes informais que vendiam alimentos impróprios ao consumo e outros dois que comercializavam medicamentos fitoterápicos sem procedência, tiveram os produtos apreendidos para incineração e foram autuados. Só de remédios naturais foram 500 itens e 20 kg de ervas. “Nossa ação é de orientação, mas não podemos permitir que as pessoas ponham suas vidas em risco consumindo alimentos impróprios e remédios sem procedência”, enfatizou Rafael Assayag, titular da Secretaria Municipal do Centro (SEMC).

Além dos medicamentos fitoterápicos apreendidos sem o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), o responsável técnico e o registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), técnicos do Departamento de Vigilância Sanitária de Manaus (Dvisa), trabalharam na orientação quanto ao manuseio, higiene e comercialização de alimentos. Duas barracas foram interditadas por ofertar aos consumidores, alimentos impróprios ao consumo.

Além disso, agentes da Secretaria Municipal do Trabalho e Desenvolvimento Social (Semtrad), de Produção e Abastecimento (Sempab) verificaram a ocupação do espaço público, orientando os comerciantes em geral, proprietários de lojas, camelôs e vendedores ambulantes, principalmente, sobre a exposição de produtos, que não devem ser feitos nas calçadas, impedindo a passagem dos pedestres.

Projeto

A próxima ação do Viva Centro será realizada no dia 28 de setembro nas Ruas Quintino Bocaiúva e Theodoreto Souto. O projeto da Prefeitura de Manauss tem por objetivo organizar o passeio público e conscientizar os lojistas.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.