Publicidade
Manaus
VELHO PROBLEMA

Longas esperas de usuários por ônibus continuam na Avenida das Flores

População que usa o transporte público, e que vive em comunidades localizadas ao longo dos 11,1 quilômetros do complexo viário, espera mais de uma hora nos bancos dos pontos de ônibus 29/12/2018 às 02:28
Show usu rios ff1b00da 5296 4f6b 9be4 6f1a0a8b0b4e
Usuárias do transporte como Magda só pegam ônibus ao se programarem com antecedência. Fotos: Euzivaldo Queiroz
Cecília Siqueira Manaus (AM)

Um mês após ter sido inaugurada, a Avenida das Flores recebeu ajustes na sinalização, mas a população ainda sofre com longas esperas por ônibus do transporte coletivo de Manaus. A gestão do prolongamento da Avenida das Torres, feita pelo Governo do Estado, também não foi entregue oficialmente ao Município. Além dos moradores do conjunto Habitacional Viver Melhor, situado no bairro Santa Etelvina, Zona Norte, usuários do transporte público que vivem em comunidades localizadas ao longo dos 11,1 quilômetros do complexo viário, esperam mais de uma hora nos bancos dos pontos de ônibus.

Segundo a Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), a linha 357, operada pela empresa Rondônia, atua com a quantidade de carros necessários “e está servindo de parâmetros para eventuais criações de novas linhas”.

A reportagem de A Crítica percorreu as 28 plataformas de embarque na manhã de ontem, entretanto, constatou a tímida presença de passageiros. Uma usuária de transporte, que se identificou apenas como Magda, contou que precisa se programar com bastante antecedência para se deslocar a outros pontos da cidade.

A mulher estava acompanhada de uma amiga e já esperava o coletivo por 1h10. “Moro no Residencial Orquídeas, aqui perto da parada. Mas demora muito a passar, então tem que se organizar para não se atrasar ou ir de outro jeito. Fora que é um deserto”, destacou Magda às pressas, antes de embarcar no ônibus.

Em outro ponto da Avenida das Flores, uma jovem que não quis se identificar, aguardava na plataforma de embarque com sua bebê de um ano. A moça mora na segunda etapa do Viver Melhor e afirmou que já chegou a esperar quase duas horas para se deslocar até o bairro Galileia, onde a mãe dela reside.

“No ponto final do 357, lá no Viver Melhor, tem um papel na parede, informando as linhas, itinerário e horário. No final dessa folha está escrito de caneta, que o 357 só tem três veículos atendendo a população. Enquanto dois ônibus estão indo no sentido Centro, um carro está voltando. Então a espera é bem maior na volta para casa. Esperei quase duas horas outro dia”, contou a jovem.

A linha 357 é operada pela empresa Rondônia e faz o seguinte itinerário: Viver Melhor, Avenida das Flores, Terminal 3, Avenida Max Teixeira, a faixa exclusiva das avenidas Torquato Tapajós e Constantino Nery, Terminal 1 até o Centro. Na volta, a linha faz o mesmo percurso.

Sinalização

As placas de orientação para acesso aos bairros, ao longo da Avenida das Flores, foram instaladas no decorrer do primeiro mês da via. Na manhã de ontem, uma equipe trabalhava na sinalização asfaltica.

Segundo a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), o engenheiro Francisco Souza, responsável pela obra da Avenida das Torres, informa que todas as alterações na sinalização da via, vertical e horizontal, já foram realizadas. O prazo para a entrega oficial da Avenida das Flores à Prefeitura não foi informado pela pasta.

Custos e conclusão

Com 17km no total,  o complexo viário que interliga as zonas Norte e Centro-Sul, teve custo total de R$ 307,8 milhões. O trecho, que corresponde à Avenida das Torres foi entregue em agosto de 2010.

Foi somente em 2013, que as obras da 1ª parte do trecho 3 da Avenida das Flores foram iniciadas e com previsão de entrega para 2014. O investimento das obras alcançou R$ 221,7 milhões com recursos do Orçamento Geral da União, financiamento da Caixa Econômica e contrapartida do Estado. Após três anos com parada por questões técnicas e jurídicas, somente em 2017 as obras reiniciaram e finalmente entregues em 29 de novembro deste ano. O custo total da 2ª etapa foi de R$ 259,6 milhões, segundo a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra).

Publicidade
Publicidade