Sábado, 19 de Junho de 2021
GUERREIRO

Lutador de jiu-jítsu de 10 anos tem coração operado no Hospital Francisca Mendes

Jackson Izel Júnior nasceu com uma má formação no coração, que só poderia ser resolvida com cirurgia



jackson.JPG Jackson Izel, 10, ao lado da mãe, a assistente social Meire Izel, 41. Foto: Antônio Lima/Arquivo AC
28/07/2017 às 16:01

O Hospital Universitário Francisca Mendes (HUFM) realizou com sucesso, na manhã desta sexta-feira (28), a cirurgia de Jackson Izel Júnior, de 10 anos. Atleta amador de jiu-jítsu, a criança foi diagnosticada em dezembro de 2016 com uma má formação no coração, que só poderia ser resolvida com cirurgia.

O procedimento foi realizado por uma equipe comandada pelo coordenador clínico do serviço de cardiopediatria do HUFM, Ronaldo Camargo. De acordo com ele, a equipe fez a opção por realizar um procedimento menos invasivo, que não precisou abrir o tórax do paciente



“Pelo método não invasivo, através de uma veia da perna, um dispositivo é colocado dentro de cateteres finos, chegando ao defeito do coração e fechando”, explica Ronaldo.

O médico afirma que, no caso de Jackon, a opção pelo método menos invasivo ajudará na recuperação mais rápida do pequeno lutador, permitindo que ele retome o mais breve possível suas atividades esportivas.

“Com esse procedimento, o Jackson não precisará ficar em UTI (Unidade de Terapia Intensiva), e em 24 horas terá alta. Este é um grande avanço da medicina que, a exemplo dos melhores serviços do Brasil, o nosso Estado está executando”, ressalta o coordenador do serviço de cardiopediatria do HUFM.

O diretor do hospital, Pedro Elias, explicou que além da recuperação rápida do paciente, o procedimento realizado em Jackson evita a ocupação de leitos de UTI. “Para você ter uma ideia, ele está na enfermaria. E amanhã (sábado) já deve ter alta, e seguir apenas com o acompanhamento ambulatorial”, afirmou.

Ronaldo diz que, em média, 1% das crianças nasce com alguma doença no coração. Desse número, 60% vão precisar passar por cirurgia. Ele explicou ainda que os sintomas das doenças não são percebidos nos primeiros anos de vida.

“Essa doença do Jackson, geralmente, a criança só começa sentir os sintomas quando começa praticar atividades físicas, na escola, com uma idade já mais avançada”, explica Ronaldo.

Durante as competições e treinamentos, onde se exigia bastante esforço, Jackson sentia tonturas, chegando a desmaios.

Entenda a doença

Jackson nasceu com uma má formação do coração conhecida na medicina como “Comunicação Interatrial”. É quando a estrutura (septo interatrial) que divide parte do coração entre os lados direito e esquerdo não se forma direito. Por conta desse defeito (buraco) o sangue com e sem oxigênio, que circula em lados diferentes do órgão, acaba se misturando.

Referência

O HUFM é a unidade de referência na rede estadual de saúde para o atendimento ambulatorial e cirúrgico na área de cardiologia adulto e pediátrico.

Na área de cardiopediatria especificamente, o HUFM realiza 1.200 exames em crianças por ano. Em dois anos, foram realizadas 214 cirurgias.

Ainda na área de cardiopediatria, o hospital é a única do estado que possui um ecocardiograma infantil de alta precisão. O equipamento fornece imagem tridimensional em tempo real, ampliando a capacidade de diagnóstico de doenças do coração, acelerando as indicações de tratamento e cirurgias corretivas.

Em número

3 mil é a quantidade de testes do coraçãozinho que são realizados por ano nas maternidades da rede estadual de saúde.

1 hora foi o tempo que durou a cirurgia de Jackson Izel Júnior. Em 24h ele dever receber alta.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.