Publicidade
Manaus
Investigação

Mãe afirma que bebê morreu após ingerir fezes durante o parto em maternidade

O bebê do sexo masculino morreu na tarde desta sexta-feira (30) na Maternidade Dona Nauzira Daou. Um processo de sindicância foi aberto pela Susam para apurar o episódio 30/09/2016 às 18:54 - Atualizado em 30/09/2016 às 18:55
Show maternidade
A criança estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da maternidade desde julho deste ano. Foto: Arquivo AC
Oswaldo Neto Manaus (AM)

A Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) irá apurar um suposto caso de negligência contra um bebê de 1 mês e 7 dias, que morreu na madrugada desta sexta-feira (30) após ter engolido fezes no momento de nascer. Familiares da criança acusam a médica de ter forçado um parto normal, o qual teria culminado na morte da criança. O caso ocorreu na Maternidade Dona Nauzira Daou, na Zona Norte de Manaus.

A criança estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da maternidade desde julho deste ano. Segundo a mãe da criança, Maria José Rodrigues de Oliveira, 37, a criança, que se chamaria João Pedro, nasceu com complicações na hora do parto por conta de um suposto erro médico.

“Ela (médica) forçou um parto normal. Eu tenho seis filhos e todos eles nasceram com parto normal, mas eu sabia que esse procedimento teria que ser diferente. Nenhuma gravidez é igual. Foi muito humilhante a forma como fui tratada. O resultado foi que ela inventou uma cesárea de última hora e ele ficou enrolado no cordão umbilical e fez cocô dentro de mim. Acabou ingerindo aquilo e se asfixiando”, disse.

Segundo declaração de óbito entregue aos familiares, o bebê morreu por volta das 3h15 desta sexta-feira. Entre as causas, o bebê foi acometido por uma anoxia perinatal (ausência de ou diminuição de oxigênio no cérebro) e choque séptico, termo médico utilizado para designar falência circulatória de causa infecciosa.

“Eu quero apenas esclarecer o que aconteceu. Tenho certeza que o procedimento foi errado. Estou indignada e muito triste só de pensar o quanto ele pode ter sofrido durante todo aquele momento”, declarou Maria José.

Em nota, a Susam informou que irá instaurar processo de sindicância para verificar todas as condutas e procedimentos aplicados no atendimento a esses dois pacientes. De acordo com o resultado da sindicância, a Susam poderá adotar as medidas administrativas cabíveis. 

Publicidade
Publicidade