Publicidade
Manaus
CORAJOSA

Mãe de três filhos pede uma oportunidade de emprego para conseguir sustentar a família

Helen Abreu revelou que em um mês consegue, às vezes, seis ‘bicos’ como agente de portaria e também vendendo churrasquinhos. A renda não chega a R$ 300, quando consegue serviços extras 11/07/2017 às 05:00
Show m e
Aos 40 anos tudo o que ela mais deseja é trabalhar, pagar as contas e dar uma vida sem sofrimento à família. Divulgação
Fábio Oliveira Manaus (AM)

Matar um leão por dia é a missão de Helen Abreu. Com 40 anos, mãe de três filhos, com 7, 10 e 12 anos e desempregada há três anos, o amor pelos filhos é o que mantém o desejo de viver. Esperança, fé e força de vontade ajudam Helen na batalha contra a fome. Desde 2014 sem emprego, a necessidade fez com que saísse de sua casa, no Parque São Pedro, bairro Tarumã, Zona Oeste de Manaus, em direção aos semáforos com apenas um objetivo: conseguir trabalho.

Com uma cartolina na mão pedindo ajuda para conseguir emprego, Helen há aproximadamente 15 dias percorreu alguns sinais da cidade em busca do que mais lhe necessita.

“Só quero uma oportunidade. Enquanto a corrupção está cada vez pior, os humildes ficam desempregados. Eu só tenho força e vontade porque Deus me dá. Porque se fosse por mim já tinha colocado uma corda no pescoço e me enforcado. Mas não fiz pelos meus filhos. Toda vez que deito na minha cama, eu fico pensando no que dar para eles. E eu estou lutando para isso”, desabafou.

Ontem à noite, Helen revelou que tinha menos de R$ 10 na carteira e que só iria jantar porque havia ganhado um pacote de salsicha. Ela explicou que o ex-marido tem problemas com alcoolismo, mas sempre ajuda os filhos dando R$ 25 todos os dias. “Já passei fome. Às vezes quem me dava comida era a vizinha do lado. Ela matou a fome dos meus filhos”, disse.

Para Helen, um emprego com apenas um salário mínimo seria um salto enorme em sua vida. “Pelos meus filhos, eu movo o mundo. As pessoas me falaram porque que eu fui pedir no sinal, se eu não tinha vergonha e eu disse que vergonha era a polícia bater na minha porta e encontrar droga na minha casa, ou eu estar roubando. Isso sim é vergonha”, desabafou.

Responsável e esforçada

Helen revelou que em um mês consegue, às vezes, seis ‘bicos’ como agente de portaria e também vendendo churrasquinhos. A renda não chega a R$ 300, quando consegue serviços extras. “Às vezes eu consigo trabalhar em boates aqui pela zona Leste, de agente de portaria, de segurança e quando tem evento na Arena da Amazônia, eu também consigo serviço porque eu tenho o curso de grandes eventos e isso me possibilita trabalhar na Arena. Mas é muito pouco. Eu tenho 40 anos e acho que por isso não querem me contratar, mas sou boa funcionária, sou responsável”, disse.

Helen tem experiência como auxiliar de serviços gerais, agente de portaria e vigilante. Estes dois últimos ela possui cursos específicos para atuação.

Publicidade
Publicidade