Publicidade
Manaus
EDUCAÇÃO

Mães de alunos denunciam falta de professores na Escola Sólon em Manaus

Elas também afirmam que os alunos estão sendo submetidos a espaços inadequados durante as aulas. A Seduc negou as informações 04/08/2018 às 08:52
Show escola solon
Fachada da escola estadual Solon de Lucena, na Chapada (Foto: Reprodução/Facebook)
Álik Menezes Manaus (AM)

Mães de alunos do primeiro ano do Ensino Médio da Escola Estadual Sólon de Lucena, localizada na avenida Constantino Nery, no bairro Chapada, denunciam que não há professores suficientes e que os alunos estão sendo submetidos a espaços inadequados durante as aulas.

A dona de casa Vera Lopes, de 46 anos, diz que há 15 dias cerca de 45 alunos foram retirados da sala de aula e transferidos para o auditório da escola, que não tem carteiras adequadas dificultando o aprendizado dos estudantes.

“Minha filha chegou reclamando logo no primeiro dia. Eles foram levados para o auditório, mas têm alguns que ficam sentados nos corredores, as cadeiras não tem o suporte para escrever e não tem mesa, mas na antiga sala deles tinha tudo isso”, contou.

Lopes disse que, ao questionar a direção da escola, foi informada que a mudança foi necessária para o bem-estar de alunos do segundo ano do Ensino Médio, que estavam em uma sala com ar-condicionado danificado.

“Fiquei preocupada com a situação e fui lá, me falaram que a situação vai ser resolvida, mas já tem 15 dias. O absurdo é que esses meninos foram tirados da sala deles, que tem ar-condicionado e levados para o auditório. Sabe o motivo? Os alunos do segundo ano estavam numa sala sem ar-condicionado! Mas como assim? Resolvem os problemas de alguns prejudicando outros? Não faz sentido”, disse.

Enquanto o problema não é resolvido, a dona de casa todos os dias escuta as reclamações da filha de 16 anos. Segundo Lopes, os alunos não têm carteiras apropriadas para escrever e são obrigados a ficar em posições desconfortáveis para poder apoiar o caderno ou livros durante as aulas. “Eles precisam apoiar o caderno na coxa, fica ruim, na última vez que fui lá ouvi vários colegas dela reclamando sobre, muitos deles ficam até pelos corredores”, disse ela.

Além dos transtornos causados após serem realocados, alunos do primeiro ano do Ensino Médio também são liberados mais cedo todos os dias. Segundo a dona de casa Vera Lopes, não há professores de todas as disciplinas. “Ninguém sabe o motivo, mas nunca tem todos os tempos de aula, todos os dias eles saem cedo”, denunciou.

Um pai de aluno, de 50 anos, que pediu para não ser identificado, disse que o problema prejudica o aprendizado dos alunos e não há nenhuma justificativa da direção da escola. Segundo ele, todos os dias as duas filhas dele chegam cedo e reclamam da falta de aulas. “Os alunos estão sendo prejudicados, não estão tendo aula, estão perdendo assuntos importantes e quem vai repor? Como vão repor? Preocupante”, disse.

Outro lado

Por meio de nota oficial enviada pela sua assessoria de comunicação, a Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) informou que “as informações repassadas por alguns pais à imprensa, sobre um suposto remanejamento de alunos da escola Solon de Lucena, não procede”.

Segundo o órgão, “a turma do 1º Ano 9 Matutino foi alocada no auditório para uma reunião, convocada pela direção da escola, com os pais na qual foram tratados dos inúmeros problemas pedagógicos apresentados pelos alunos dessa turma, que demonstram pouco interesse pela educação. Para buscar soluções nesse sentido, a direção convocou pais e os alunos para uma conversa sobre o assunto. E alguns, descontentes com a ação da direção, lançaram a informação falsa aos pais que a sala estava com problemas no ar-condicionado.Os alunos não ficaram no auditório por conta de problemas no ar-condicionado, pois os aparelhos da sala dessa turma funcionam normalmente”. A secretaria também garantiu que não procede a informação da falta de professores.

Publicidade
Publicidade