Publicidade
Manaus
Manaus

Mais de 26 mil imóveis serão vistoriados no primeiro Liraa deste ano, em Manaus

O Levantamento do Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (Liraa) é feito três vezes ao ano para medir o nível de infestação pelo mosquito, transmisor da dengue e da febre chikungunya 21/01/2015 às 11:32
Show 1
Agentes de endemias estão visitando imóveis para identificar focos do mosquito e orientar a população
acritica.com* Manaus (AM)

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) vai vistoriar 26.919 imóveis selecionados por amostragem para identificar o índice de infestação do mosquito transmissor da dengue e da febre chikungunya durante o Levantamento do Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), iniciado na última terça-feira (20).

O LIRAa é realizado três vezes ao ano como um instrumento fundamental para orientar as ações de controle do Aedes aegypti, permitindo aos gestores de saúde a antecipação das atividades de prevenção. O resultado vai determinar o grau de risco para as duas doenças no município de Manaus. “O levantamento colabora nas ações de identificação dos bairros onde há maior concentração de focos de reprodução do mosquito, além de classificar os principais tipos de criadouros. São informações que irão auxiliar na elaboração de estratégias de atuação que possam ter um impacto real no controle das duas doenças nos próximos meses”, informou o secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão Neto.

O primeiro LIRAa de 2015 será executado por 273 agentes de endemias que vistoriam os imóveis, identificando e eliminando os criadouros, verificando o grau de infestação do mosquito e com ações de orientação aos moradores sobre os cuidados necessários ao combate e à transmissão das doenças. A previsão é de que os trabalhos desta primeira etapa sejam concluídos no dia 30 de janeiro. A Semsa já programou os outros dois levantamentos para os meses de abril e outubro deste ano.

Risco

De acordo com os parâmetros aferidos pelo LIRAa, os municípios podem ser classificados como: em alto risco, quando apresentam larvas do mosquito em mais de 3,9% dos imóveis pesquisados; estado de alerta, quando menos de 3,9% dos imóveis pesquisados apresentam larvas do mosquito; e satisfatório, quando o índice está abaixo de 1% de larvas do Aedes aegypti.

O último LIRAa em Manaus foi realizado em novembro de 2014 e o resultado manteve o município na classificação de estado de alerta, com o resultado de 2,9% das residências pesquisadas com incidência de larvas. Neste resultado, com a avaliação por zona, foi indicada como ponto de maior cautela a zona Leste, que apresentou uma infestação de 5,1%. Já as zonas Norte (2,9%), Sul (1,9%) e Oeste (1,6%) mantiveram também o estado de alerta para a doença.

“A partir desse resultado, a Semsa realizou um trabalho intensivo nos locais considerados prioritários para o combate à dengue e à febre chikungunya, promovendo ações de educação em saúde e eliminando criadouros, sem deixar de atender os locais de menor risco”, informou o secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão.

Casos

Em Manaus, de janeiro a dezembro de 2014, foram notificados 4.240 casos suspeitos de Dengue, uma redução de 74,5% em relação ao mesmo período de 2013, quando foram notificados 16.634 casos. Houve também uma redução de 88,9% no número de casos confirmados, passando de 13.495 casos em 2013 para 1.489 casos em 2014.

Em relação à febre chikungunya, o município de Manaus, desde outubro de 2014, registrou a notificação de 22 casos suspeitos. Desse total, quatro foram confirmados por critério laboratorial e identificados em pessoas provenientes de outros países, especialmente Guiana Inglesa e Venezuela.  Dos demais casos, 12 foram descartados e seis ainda permanecem em análise laboratorial pelo Instituto Evandro Chagas, em Belém (PA).


*COM INFORMAÇÕES DA ASSESSORIA

Publicidade
Publicidade