Publicidade
Manaus
TRUCULÊNCIA E DESPREPARO

Mais de mil denúncias foram registradas contra cobradores e motoristas em 2016

Uma das principais reclamações dos usuários é referente à “queima de paradas”, quando os motoristas não param. Segundo a SMTU, SAC registrou em 2016 cerca de 1,3 mil denúncias pela população 01/03/2017 às 05:00 - Atualizado em 01/03/2017 às 10:36
Show truculencia
Cerca de 1,3 mil denúncias foram registradas no ano passado (Foto: Euzivaldo Queiroz)
Alik Menezes Manaus (AM)

Além de depender de um transporte público que não agrada em quesitos como frota sucateada, demora, paradas sem cobertura, uma tarifa das mais caras do País, os usuários dos ônibus de Manaus criticam a truculência e o despreparo de muitos de motoristas e cobradores. Só no ano passado, foram registradas 1,3 mil denúncias contra o comportamento de rodoviários.

Uma das principais reclamações dos usuários é referente à “queima de paradas”, quando os motoristas não param, apesar do sinal de parada. O vendedor Rayan Souza, 26, perdeu as contas de quantas vezes esperou mais de 40 minutos e, mesmo assim, perdeu o coletivo por causa da pressa do motorista. “A gente faz sinal, faz parada e o cara passa direito em alta velocidade. É uma palhaçada!”, reclamou.

Para o vendedor, é uma afronta porque o serviço é pago, “não é caridade” e fica difícil de entender a atitude de alguns motoristas. “Não é um favor, não é gratuito, nós pagamos e esse cara faz isso? Se não quer trabalhar, que peça a conta”, disse.

Outro problema, segundo usuários, é a grosseria de alguns funcionários com os passageiros. “Cansei de ver pessoas sendo destratadas, motorista gritando, falando palavrões, muitas vezes sem razão nenhuma. Eles surtam e descontam na população”, disse Rayan.

Segundo a técnica de enfermagem Edilze Queiroz, 35, os idosos sofrem nas mãos de alguns motoristas porque têm dificuldade de entrar e sair do ônibus. “Não são todos, mas muitos motoristas acham que estão apostando corrida, não esperam os idosos embarcarem e descerem direito”, relatou.

Paulo Sérgio Cavalcante, 24, sofre na pele todos os dias com a grosseria e falta de respeito de motoristas do bairro Mauazinho. Segundo ele, usuários dos coletivos que têm deficiência precisam da caridade de outras pessoas para conseguir pegar os ônibus porque motoristas não param nos pontos para esses usuários. “Você tem que ir acompanhando porque eles marcam as paradas que têm deficiente e passam direto, deixam eles lá e ainda ficam rindo”, contou.

Mais de mil denúncias

Segundo dados da Superintendência Municipal de Transportes (SMTU), 1,3 mil denúncias foram registradas pelo Serviço de Atendimento Comunitário (SAC) no ano passado. Esse ano, porém, os dados não foram divulgados ainda.

Contudo, o número de casos de desrespeito pode ser ainda maior porque muitas pessoas não denunciam ou desistem após algumas tentativas, como foi relatado pelos usuários. Segundo a SMTU, o número 118 ficou inativo por conta de um problema técnico na central da operadora de telefonia, dos dias 23 de janeiro a 23 de fevereiro. Mas as denúncias continuaram a ser recebidas na própria sede da SMTU, pelo Facebook (SMTU Manaus) ou pelo e-mail sacsmtu@pmm.am.gov.br.

A SMTU não informou o número de punições, mas disse que os casos são apurados pelas empresas e, dependendo da situação, o colaborador pode ser demitido.

Publicidade
Publicidade