Terça-feira, 16 de Julho de 2019
Manaus

Mais de R$ 40 milhões em produtos irregulares foram apreendidos durante operação em Manaus

Os produtos foram apreendidos nas galerias BBC, Baré, Destack e Central e no Hotel Amazonas, localizados entre as ruas Marechal Deodoro e Teodoreto Souto



1.jpg A operação "Centro Seguro" ocorreu neste sábado (24)
25/08/2013 às 15:01

O Governo do Amazonas e a Prefeitura de Manaus realizaram, no último sábado (24), a segunda edição da operação 'Centro Seguro' com foco na fiscalização do comércio de mercadorias contrabandeadas e sonegação fiscal em galerias que abastecem a venda de produtos piratas no centro da cidade. Mais de R$ 40 milhões em produtos irregulares foram apreendidos nas galerias BBC, Baré, Destack e Central e no Hotel Amazonas, localizados entre as ruas Marechal Deodoro e Teodoreto Souto.

Os mandados de busca e a apreensão foram cumpridos pela Polícia Civil. Fruto de cerca de três meses de investigação, a operação recolheu mais de uma tonelada em mercadorias piratas e sem nota fiscal, produtos de confecção com etiquetas falsas de 20 marcas nacionais e estrangeiras. O material apreendido será armazenado em depósitos indicados pela Associação de Marcas e Patentes e pela secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) e Secretaria Municipal de Economia e Finanças (Semef). Cinco caminhões fizeram o transporte do material. Flagrantes foram encaminhados para a 1ª Seccional Sul, no bairro da Colônia Oliveira Machado, zona centro-sul.

O empresário Sebastião Vilas Boas, apontado como um dos líderes da rede de distribuição dos produtos piratas em Manaus, e que tinha mandados de prisão expedidos pelas polícias do Paraná e do Amazonas, foi detido pela Polícia Civil. Ele seria responsável pelo contrabando de mercadorias do Paraguai para a venda aos lojistas da capital amazonense.

 Fábrica clandestina

Segundo o delegado-adjunto da Polícia Civil, Mário Aufiero, a investigação policial vai prosseguir para encontrar outros suspeitos de envolvimento direto com o contrabando e o comércio de produtos piratas. Nas galerias Destack, BBC, Baré e Central funcionava a venda e distribuição. No Hotel Amazonas, que era utilizado como depósito de produtos, a polícia encontrou uma fábrica clandestina de bicicletas, CDs e DVDs. Novas buscas deverão ser realizadas em outros pontos identificados na investigação.

O delegado-geral da Polícia Civil, Josué Rocha, afirmou que a desarticulação desses crimes, que atentam contra a ordem econômica e tributária, acaba contribuindo para a redução de outros tipos de infrações. “Temos aqui no Centro muita mercadoria pirata e nosso foco é combater isso. A pirataria é impressionante. Ela também leva consigo outros crimes e nós estamos detectando isso. Crimes de furto, sonegação e outros mais. No trajeto, muitas vezes até droga. Ainda não tivemos isso, mas em outras cidades isso acontece”, disse.

Cerca de 200 policiais civis e militares participaram da operação “Centro Seguro”. A operação envolveu órgãos do Governo do Estado e Prefeitura, por meio da Secretaria Extraordinária do Centro de Manaus, além da Sefaz, Semef, Eletrobras Amazonas Energia, Manaus Ambiental e uma empresa de que comercializa sinal de TV a cabo, que também vistoriam as ligações e realizaram o corte dos serviços de água e eletricidade dos lugares por conta de irregularidades.

 #Com informações da Agecom

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.