Publicidade
Manaus
Manaus

Manaus atinge maior pico de consumo de energia de 2015 neste período de intenso calor

O consumo registrado na capital amazonense na última quinta-feira (24) foi 1.455 MWh 26/09/2015 às 09:45
Show 1
A autônoma Hadleany Carneiro mostra a nova conta de luz (R$ 167), exatamente o dobro da cobrada no mês anterior
Acritica.com Manaus (AM)

Com a alta temperatura sem dar trégua, o consumo de energia elétrica em Manaus atingiu a marca de 1.455 MWh às 14h da última quinta-feira (24), o maior já registrado este ano. No horário, a potência produzida pela  Eletrobras Distribuição Amazonas era de 2.200 MWh. A previsão da empresa é que  o pico do consumo, reforçado pelo aumento do número de aparelhos de ar-condicionado ligados, chegue a 1.535 MWh até outubro. 

“Nós temos energia suficiente para abastecer Manaus e a zona periférica, mesmo com a alta do calor. Não há risco de apagão porque temos energia sobrando. Os desligamentos são todos frutos de problemas localizados. Estamos preparados para suprir o pico de energia, que sempre ocorre em outubro, embora este setembro esteja muito mais quente que o do ano passado”, garante Eduardo Xerez Vieiralves, diretor de operação da Eletrobras na capital.

Segundo ele, há problemas, “mas são questões pontuais”, motivadas por curto circuito, abalroamento de postes e casos costumeiros como, por exemplo, o consumo clandestino, os chamados “gatos”. Essas situações  representam uma perda de aproximadamente 38%.

“O conselho que a gente dá é que a instalação de equipamentos elétricos seja feita por profissionais. Outra coisa: não abasteça sua geladeira com coisas que não precisam estar ali, nada quente, nada de colocar plástico para sustentar produtos. Isso aumenta o consumo de energia”, orienta. Sobre o aumento na tarifa, momentaneamente suspenso por determinação judicial, ele prefere aguardar o andamento do processo para se pronunciar.

Incompleto

Sobre o Linhão de Tucurui, o diretor da Eletrobras informou que a rede já está em Manaus desde 2010, mas admite que a redistribuição, que seria uma espécie de ramais ainda não está completa. Segundo  ele, no período de calor, a relação entre a temperatura e o aumento do consumo é inevitável, mas nada que assuste.

“Nosso parque industrial tem capacidade de atender 100% dos nossos clientes. Desde 2013 nós temos fornecimento de energia interligado pelo sistema interligado nacional, através da linha Manaus-Macapá-Tucuruí. Nessa linha são dois circuitos que somam 3.600 megawats. Temos aqui usinas termoelétricas que queimam gás natural, estamos construindo e vai entrar em operação a primeira usina, no bairro Mauazinho (zona Leste) em setembro de 2016. Então, temos energia de sobra em Manaus”, conclui.

Suspensa

A Justiça Federal no Amazonas determinou, em caráter liminar, a imediata suspensão da cobrança pelo Sistema de Bandeiras Tarifárias de energia a todos os consumidores do Amazonas. A decisão suspendeu a cobrança retroativa  a maio de 2015. A determinação judicial atendeu a solicitação feita em ação civil pública, assinada por vários órgãos estaduais e federais.

Eirunepé sem risco de racionamento

No Município de Eirunepé (a 1.160 quilômetros de Manaus), os problemas de racionamento de energia aos quais os moradores foram submetidos na última semana, após um dos grupos geradores responsáveis por abastecer a cidade entrar em pane, também não devem se repetir. Pelo menos é o que garante o engenheiro da Diretoria de Operação da Eletrobras, Elson Athan.

É que, dentro de 15 dias, o município deve receber dois grupos geradores novos, com potência de 1000 KW cada, além de um alternador, que servirá para a recuperação de um terceiro grupo gerador. Com esses investimentos, a capacidade da usina de Eirunepé será aumentada de 4.800 KW para 7.800 KW, garantindo à usina uma reserva técnica de 3.000 KW, explicou Elson.

“Hoje temos cinco grupos geradores e, com esses investimentos, passaremos a ter oito, com uma reserva ténica que vai eliminar, definitivamente, o risco de racionamento”, garantiu.

Há quatro dias, moradores de Eurinepé - que tem população de aproximadamente 33 mil habitantes -  foram submetidos ao racionamento de energia, após uma pane em um dos grupos geradores da usina. Foram  dias de “sufoco” que, dentro de 25 dias, não devem mais se repetir. Esse é o prazo estimado para que os equipamentos cheguem ao município - eles serão levados de balsa - e entrem em operação, revelou o ex-prefeito de Eirunepé, Dissica Tomaz, que negociou os investimentos com a concessionária.

“Hoje nossa usina opera perto do limite, e isso vai mudar a partir desses investimentos. O material está embarcando neste domingo, em uma balsa, e deve levar até 25 dias para entrar em funcionamento. Um técnico já foi enviado para realizar o serviço”, relatou o ex-prefeito.

De acordo com dados da Eletrobras Amazonas Energia, a demanda máxima de energia de Eirunepé - pico de consumo - é de 4.500 KW, enquanto a geração da usina é de 4.800 KW. “Por conta dessa pequena diferença, toda vez que um dos grupos geradores apresentava algum problema técnico a geração era afetada e acontecia o racionamento. Foi o que aconteceu na semana passada, e que não deve mais se repetir, visto que agora a cidade terá uma reserva que corresponde a mais da metade da demanda máxima”, explicou Elson Athan.

Publicidade
Publicidade