Segunda-feira, 24 de Junho de 2019
SURTO

Manaus concentra 63,1% dos casos de sarampo confirmados no Brasil

A capital amazonense também registra mais de 97% dos casos de sarampo ainda em investigação no País, de acordo com o Ministério da Saúde



sarampo.jpg Foto: Divulgação
27/07/2018 às 19:33

Com 519 pacientes diagnosticados com sarampo, Manaus concentra 63,1% do total de casos da doença confirmados no Brasil até a última quarta-feira (25). O percentual foi calculado com base na última estatística sobre sarampo divulgada pelo Ministério da Saúde esta semana.

Na atualização dos casos, o Ministério afirmou que, atualmente, o País enfrenta dois surtos de sarampo: no Amazonas e em Roraima. O estado vizinho contabiliza 33,09% dos casos de sarampo confirmados no Brasil com 272 diagnósticos.

Além dos surtos, outros cinco estados possuem 31 pacientes diagnosticados com sarampo (3,81%), em casos que são considerados pelo Ministério da Saúde como “isolados”. Rio de Janeiro (14); Rio Grande do Sul (13); Pará (2); São Paulo e Rondônia com um caso cada completam a lista de unidades da federação onde há registro do sarampo.

“Os surtos estão relacionados à importação. Isso ficou comprovado pelo genótipo do vírus (D8) que foi identificado, que é o mesmo que circula na Venezuela. Além disso, alguns casos isolados e relacionados à importação foram identificados”, afirmou o Ministério da Saúde em material divulgado à imprensa nesta semana.

Casos em investigação

Além dos 822 casos confirmados de sarampo, outros 3.831 permanecem em investigação no Amazonas e em Roraima. Do total, 3.725 casos suspeitos (97,23%) estão no Amazonas. Em Roraima, 106 casos seguem em investigação para descarte ou confirmação da suspeita.

Em Manaus, Zona Norte lidera casos

Por local de residência, do total de 3.528 notificações de sarampo, incluindo os casos confirmados, em investigação e já descartados, a Zona Norte de Manaus registra 1.322 casos, a Zona Leste tem 1.174, a Zona Oeste possui 478, a Zona Sul 508 e a zona rural 46 casos.

Jorge Teixeira, na Zona Leste, e Cidade Nova e Novo Aleixo, na Zona Norte, são os bairros com maior incidência, de acordo com os órgãos de saúde.

Vacina é a única forma de prevenção

Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo. Entre 2013 e 2015, o Brasil registrou surtos decorrentes de pacientes vindos de outros países, quando foram registrados 1.310 casos de sarampo – a maioria, em Pernambuco e no Ceará.

“Muitos brasileiros não estão com as vacinas em dia. Isso fez que, como a população não estava protegida, a doença se alastrasse em estados da região Norte. Como é possível que ocorram mais casos, a situação merece bastante cuidado das autoridades sanitárias”, afirma o médico Marco Aurélio Palazzi Sáfadi, diretor do Departamento de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Como parte da segunda etapa do Plano de Intensificação Contra o Sarampo em Manaus, no dia 16 de julho, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) está executando uma varredura vacinal nos bairros Jorge Teixeira, Cidade Nova e Novo Aleixo.

Durante a varredura, profissionais de saúde realizam a avaliação da situação vacinal da população, com visitas domiciliares, para a vacinação contra o sarampo na faixa etária de seis meses a 49 anos de idade.

Para ampliar as ações de varredura vacinal, a Prefeitura de Manaus anunciou, nesta sexta-feira (27), que irá instalar postos de vacinação em locais estratégicos no bairro Jorge Teixeira. A nova estratégia também será ampliada para o bairro Cidade Nova, segundo o Executivo.

A ação da Semsa vai acontecer de segunda a sexta-feira, das 14h às 20h, e aos sábados, das 8h às 13h, com postos atendendo a população em locais como mercearias, residências e igrejas.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.