Terça-feira, 20 de Abril de 2021
TURISMO

Manaus é lider em ocupação hoteleira nacional, aponta indústria turística

Levantamento feito entre 15 capitais do País mostra que após início de medidas de flexibilização, Manaus teve a melhor taxa de ocupação de hotéis



FOTO_4_954A2190-B34D-44DE-8179-2E538B8FAB49.jpg
09/12/2020 às 10:52

Com a flexibilização das medidas de isolamento social, editadas desde junho deste ano pelas autoridades brasileiras, Manaus tem se destacado na ocupação hoteleira urbana. Segundo o Boletim Informativo do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (InFOHB), a capital amazonense obteve, nos meses de julho, agosto e outubro, o melhor desempenho em taxa de ocupação hoteleira entre as 15 capitais auditadas pela instituição.

Em setembro, Manaus figurou em segundo lugar com um índice de 41,77%, superada em décimos pela capital do Espírito Santo, Vitória, que atingiu a marca de 41,95%. Para que se tenha uma ideia, em abril, ápice da pandemia, a taxa de ocupação ficou em 8,21%. Em maio, foi de 10,47%. 



Para a presidente da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), Roselene Medeiros, o indicador confirma o estado como destino seguro nesse período de recuperação do setor.

“Mesmo com as dificuldades que ainda existem, o turismo do Amazonas se recupera. A prova disso é nossa ocupação hoteleira. Estamos atuando para promover o estado como um destino de pouca aglomeração porque, de fato, somos um local seguro para quem quer viver essa experiência que é a floresta, a pesca esportiva e tantos outros atrativos que oferecemos. Somos um local ideal para ser visitado nessa época de desaceleração dos efeitos da pandemia”, destaca Roselene.

Ao avaliar o mercado de meios de hospedagem, o Fórum não leva em conta toda a capacidade instalada, mas apenas os hotéis ligados a uma rede nacional ou internacional. Em Manaus, são considerados 10 estabelecimentos, que representam 1.628 unidades habitacionais (aproximadamente 3.300 leitos).

Outro indicador da indústria turística, a CoHotel Consultoria Hoteleira, no documento “Mercado Hoteleiro Manaus/AM”, lista 11 empreendimentos e aponta taxas de ocupação para Manaus superiores àquelas que são apresentadas pelo InFOHB para os meses de julho, agosto e setembro. O estudo da consultoria projeta para Manaus uma receita bruta com hospedagem de R$ 36.122.586,00 de janeiro a setembro deste ano; as perdas foram na ordem de R$ 33 milhões em relação ao mesmo período de 2019, segundo o documento.

No intervalo de janeiro a setembro de 2020, em comparação a semelhante período do ano passado, a CoHotel afirma que a redução de quartos ocupados foi de 46%, com 45% de perda no RevPAR – “revenue per available room”, em português “receita por quarto disponível”.

O gerente geral do Tryp by Wyndham, Nilson Rocha, afirma que a indústria hoteleira em Manaus demitiu 37% de seus quadros de recursos humanos, em razão da crise imposta pela pandemia do novo coronavírus.

“Monitoramos um grupo de 16 hotéis de ponta, e este foi um ano difícil para todo mundo, mas especialmente para o turismo e para os investidores da hotelaria. Essa é uma situação com impacto mundial, mas em termos de Brasil há capitais com cenários bem piores que os nossos, de Manaus”, destaca.

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.