Publicidade
Manaus
Calor, muito calor

Manaus já consegue sentir os primeiros efeitos do forte verão amazônico

Transição do inverno para o período seco eleva as temperaturas e obriga o manauara a se refrescar como pode 31/05/2017 às 05:00
Show calor
Beber água é fundamental para o corpo enfrentar a ‘quentura’ sem ter problemas. Fotos: Aguilar Abecassis
Silane Souza Manaus (AM)

Temperatura máxima de 33,2°C, em média, é a que o manauara está enfrentando neste mês, com o período de transição entre as estações chuvosa – inverno amazônico – para a menos chuvosa – verão amazônico. E a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) indica que a temperatura máxima dos próximos dias deve ficar na casa dos 34°C. Com a temperatura lá em cima água, guarda-sol e protetor solar são alguns dos itens indispensáveis para manter-se saudável.

Em uma das mãos, o desempregado Kelton Lins, 24, carrega uma pasta com os currículos, na outra, a garrafa com água. Para ele, ficar sob o Sol forte da cidade requer cuidados. “A gente tem que andar com água porque o calor é muito grande e só bebendo água para amenizar o desconforto”, afirmou o jovem, que percorre a capital em busca de emprego.

A operadora de máquina Estelita Ramos, 54, diz que tomar sorvete é outra forma de aliviar a quentura, que ficou mais intensa nestes últimos dias. “Pelo visto o verão está chegando. Eu prefiro o verão ao inverno porque com a chuva a gente não pode fazer nada, a roupa não enxuga e fica ruim sair de casa, já com o Sol, basta tomar sorvete, água ou banho que refresca”, apontou.

O vendedor de água Edson dos Santos, 40, relatou que a expectativa é que as vendas de água nos semáforos fiquem boas a partir de junho. Mas ele comemora porque desde o início deste mês elas começaram a melhorar, embora ainda estejam fracas, na sua avaliação. “Hoje a gente sai de casa sabendo que vai ganhar alguma coisa, isso não acontece no inverno”, declarou.

Cuidados

O médico Ricardo Amaral Filho, especialista em família e comunidade, esclarece que o Sol não é apenas um vilão, uma vez que auxilia o organismo numa série de coisas como na síntese de vitamina D, e no combate a depressão. Porém é preciso aprender a cuidar-se sob ele, principalmente no verão, quando as condições climáticas ficam favoráveis para o aparecimento de queimaduras, câncer de pele, problemas de visão por conta do excesso de luminosidade, além de causar desidratação e envelhecimento precoce.

“A desidratação pode acarretar cálculo renal com o tempo. O câncer de pele, o mais incidente no mundo, apesar de não darmos muita atenção para ele, pode matar. Por isso a importância de usar protetor solar (fator 60) 30 minutos antes de sair de casa e replicar a cada uma hora, mesmo quando os raios estão fracos. Abusar dos acessórios como roupas com manga, chapéu, óculos escuro, e se hidratar sempre. O ideal é tomar pelo menos dois litros de água por dia”, enfatizou.

Amaral destacou que o verão aliado à falta de saneamento básico, especialmente, também facilita o surgimento de outras doenças, como micose, brotoeja, dengue, leptospirose, herpes, acne, hepatite A, gripes, conjuntivite, além de infecções gastrointestinais, entre outras. “O calor favorece a proliferação de bactérias por isso é necessário redobrar os cuidados com a higiene pessoal e alimentar neste período de altas temperaturas”, apontou. 

O médico de Família e Comunidade, que atua na Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), salienta que é preciso aprender a lidar com a situação, evitando os riscos e tirando benefícios. “Respeitar o melhor horário para se expor ao sol (de manhã até 10h e a tarde depois das 16h), usar proteção (roupas de manga, chapéu, óculos, protetor solar), ter cuidados com os alimentos que consome e se hidratar (beber pelo menos dois litros de água por dia) minimizam muito os problemas que são mais comuns no verão”, afirmou Ricardo Amaral.

Temperatura normal

O meteorologista Gustavo Ribeiro, do 1° Distrito de Meteorologia AM/AC/RR, contou que ainda não há previsão para todo o período seco (verão amazônico), mas tudo indica que ficará dentro da normalidade.

Conforme ele, na capital amazonense, a média das temperaturas máximas nos 29 primeiros dias deste mês, está em 33,2°C. No mesmo período do ano passado, que foi considerado um ano atípico, por causa do El Niño, a média das temperaturas máximas foi de 32,4°C. 

Ele destacou que a máxima temperatura deste mês, que ocorreu dia 26, foi de 34,7°C. Neste dia, a sensação térmica foi de 36,8°C.

Gustavo Ribeiro explica que no período de transição entre  “inverno” e “verão” amazônicos é comum haver dias secos, com poucas nuvens e com temperaturas altas, mas também dias com bastante nebulosidade.

Publicidade
Publicidade