Publicidade
Manaus
ANUÁRIO DE SEGURANÇA

Cidade de Manaus ocupa o 3º lugar no ranking de estupros no Brasil

Capital registra 37,4 estupros para cada 100 mil pessoas segundo o 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública 30/10/2017 às 20:14
Show zcid063101 p01
Em outubro, A CRÍTICA noticiou uma denúncia de estupro de nove meninas dentro de uma escola municipal da capital
Kelly Melo Manaus (AM)

O 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta segunda-feira (30), mostra que Manaus é a 3ª capital do País em números de estupros. A cada 100 mil habitantes, 37,4 mulheres foram vítimas desse tipo de crime no ano passado. 

O anuário, que traz um retrospecto do crescimento da violência em todo o Brasil, tomou por base os dados de 2016 em comparação com 2015. O estudo também traz informações sobre homicídios, roubos e furtos de veículos, apreensões de armas e tráfico de drogas. 

De acordo com o anuário, em 2016 foram registrados 783 casos de estupros na capital amazonense, enquanto em 2015 foram registrados 706 casos, o que resultou em um crescimento de 9%. No entanto, o levantamento não informa  a idade das vítimas e considerou apenas os casos em que mulheres foram violentadas. No País, foram registrados 49.497 casos de estupro, um crescimento de 3,5% em relação ao ano passado. 

Para a presidente da União Brasileira de Mulheres (UBM), Vanja Santos, embora as estatísticas indiquem o aumento dos casos, ela acredita que os dados podem ser maiores ainda. “Infelizmente, esse número ainda não representa a realidade porque nem todas as vítimas denunciam os casos, principalmente por vergonha. Além disso, vivemos um momento em que a temática da violência contra a mulher está sendo posta de escanteio, já que os direitos estão sendo tirados um a um”, opinou ela. 

A delegada titular da Delegacia Especializada em Combate a Crimes contra a Mulher (DECCM), Débora Mafra, afirma que o estupro não escolhe  idade, raça ou situação social e pode acontecer em qualquer lugar.  “O estupro pode acontecer dentro de casa, combinado com a violência, mas também pode ser praticado por desconhecidos.  As mulheres são as mais vitimadas, mas também são as que mais registram as ocorrências”, disse ela, ao reafirmar a importância da denúncia em qualquer delegacia. 

Mortes violentas

De acordo com o 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, sete pessoas foram assassinadas a cada hora no País. No Amazonas, 1.177 pessoas forram assassinadas em 2016, deixando o estado na 17º posição do ranking brasileiro, considerando apenas os números absolutos. O  Estado foi o que apresentou a maior redução de mortes violentas (homicídios, latrocínios, lesão corporal seguida de morte e intervenção policial): 19,9%. Em 2015, ano do “Julho Sangrento”, 1.447 pessoas foram assassinadas. 

Em nota, a nova gestão da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM) informou que está intensificando as operações integradas, além de estar reestruturando novas delegacias para funcionarem em regime de plantão e, assim, combater a criminalidade.

Índice de roubos e furtos de veículo também é alto

Outro dado que chama a atenção no anuário é o de que roubos e furtos de veículos.   Enquanto no Brasil mais de 1 milhão de veículos foram subtraídos entre 2015 e 2016, no Amazonas, 6.279 veículos foram roubados ou furtados somente em 2016. Considerando os números nacionais, um veículo é roubado ou furtado por minuto no País. Em números absolutos, o Estado ocupada a 18º posição do ranking brasileiro, mas considerando a taxa de roubos e furtos a cada 100 mil veículos, o Amazonas sobe para a 8º posição. 

Pela primeira vez,  o Fórum de Segurança Pública também divulgou os dados sobre desaparecidos, que revelam oito desaparecimentos por hora entre 2007 e 2016 no Brasil. Foram registrados 693.076 boletins de ocorrência por desaparecimento entre 2007 a 2016, com uma média diária de 190 pessoas desaparecidas nos últimos dez anos. Apenas em 2016, foram registrados 71.796 desaparecimentos no Brasil. O Amazonas não divulgou os dados de 2016, mas em 2015 foram registrados 957 desaparecimentos. 

Publicidade
Publicidade