Domingo, 21 de Julho de 2019
PERDA

Manaus só perde para Porto Velho em desperdício e ‘gato’ de água, revela estudo

Levantamento do Instituto Trata Brasil divulgado esta semana com dados de 2017 mostra que as capitais perdem mais de 70% da água na distribuição. Hoje, prejuízo é de 40%, segundo a Águas de Manaus



WhatsApp_Image_2019-06-13_at_15.48.52_BB9DC0EB-E03D-44D5-8EA9-64D4011014F6.jpeg Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
14/06/2019 às 06:51

Manaus possuiu uma das infraestruturas mais atrasadas do Brasil em saneamento básico. E enfrenta dificuldades diversas e que vão além da expansão das redes de água e esgoto. O consumidor possui responsabilidade pelo aumento no desperdício de água. Isso é o que aponta o estudo divulgado pelo Instituto "Trata Brasil", especializado em saneamento básico, que divulgou no último dia 11, o resultado da pesquisa sobre o perfil do desperdício de água no país.

Com dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), de 2017, o estudo mostra que a média de perda de água potável no Brasil foi de 38,3%, ou seja, para cada 100 litros de água captada, tratada e pronta para ser distribuída, 38 litros ficam pelo caminho devido aos vazamentos, erros de leitura dos hidrômetros, furtos e desvios.

É importante compreender que as perdas de água potável ocorrem de maneiras diversas, sendo as mais comuns os vazamentos, roubos/furtos de água e erros de leitura ou leituras imprecisas devido aos hidrômetros serem muito antigos”, declarou o presidente executivo do Instituto Trata Brasil, Édison Carlos.

Outra matéria relevante sobre as consequências do desperdício é o volume não-faturado, aquele que deixa de ser cobrado ao consumidor, em virtude de erros na leitura dos hidrômetros ou do furto de água, popularmente conhecido como "gato".

Desvios

Apesar de ser comum associar a ideia de desperdício de água à falta de manutenção dos canos de distribuição, essa questão pode ir muito além do desperdício resultante do mal funcionamento dos instrumentos que levam água até o consumidor.

A ligação clandestina é a forma de desvio mais comum encontrada durante operações de fiscalização, como aponta a Delegacia Especializada em Combate ao Furto de Energia, Água, Gás e Serviços de Telecomunicações (DECFS), que já realizou mais de 200 operações sobre denúncias de desvios, desde sua implementação em 2017.

“Temos um problema muito grande na cidade de desvio dos serviços de abastecimento. Apurações sobre desvio de água são umas das mais recorrentes”, aponta o delegado Paulo Benelli.

Os “gatos” significaram uma perda de 6,5 bilhões de m³ - equivalente a mais de 7 mil piscinas olímpicas por dia. Segundo o estudo, o volume desperdiçado seria suficiente para suprir o consumo de água de 60 milhões de brasileiros, 30% da população. Em termos financeiros, a perda de faturamento custou para o país R$ 11,3 bilhões, valor superior ao total de recursos investidos em água e esgotos no Brasil em 2017, que foi de R$ 11 bilhões.

Panorama

A região com pior desempenho na distribuição de água foi o Norte do país, com cerca de 55% de perdas, contra 34% do Centro-Oeste. Entre os estados, Roraima perde 75% da água distribuída, o Amazonas 69%, enquanto Goiás não aproveita 26%, tendo o melhor desempenho. Considerando as 100 maiores cidades brasileiras, Santos, no litoral paulista, possui o melhor desempenho, perdendo 14% de sua água. Por outro lado, Porto Velho não aproveita mais de 77% e Manaus 74,6%.

O desperdício de água é um problema socioambiental de graves consequências para a humanidade. Segundo a Organização das Nações Unidades (ONU), de toda a água disponível na Terra, apenas 3% é originalmente própria para consumo. Todavia, desses 3%, apenas uma menor parte encontra-se em locais de fácil acesso. Por isso, é preciso entender melhor essa questão a fim de encontrar possíveis soluções.

A concessionária Águas de Manaus, responsável pelo fornecimento de água na capital desde o segundo semestre de 2018, realiza ações que acontecem em parceria com a Polícia Civil, por meio da DECFS. Essas fiscalizações especiais já conseguiram encontrar irregularidades em centros comerciais, condomínios de alto padrão, postos de gasolina, grandes drogarias, canteiros de obra e até em shoppings.

Ano passado, das 90 ações do tipo realizadas pela concessionária, 88 identificaram alguma fraude no fornecimento de água. Para 2019, a meta é realizar pelo menos 150 inspeções até o fim do ano.

Ações para mehorar os indicadores

A Águas de Manaus informou que atualmente capta e trata mais de 630 milhões de litros de água do rio Negro por dia, em quatro estações de Tratamento de Água (ETAs).  O volume produzido pelas ETAs é suficiente para abastecer “uma Manaus e meia”.

Hoje, cerca de 40% do volume de água captado e tratado acaba se perdendo por conta do mau uso da água e de ligações irregulares. Isso causa um prejuízo que vai além do financeiro, já que a água é um bem finito, que precisa ser preservado. A água desperdiçada leva consigo produtos químicos, energia elétrica e todo o trabalho utilizado durante o processo de captação e tratamento. 

O sistema de abastecimento da capital vem passando por uma reformulação desde que a Águas de Manaus assumiu a concessão do saneamento da cidade, em junho de 2018, investindo em conscientização, tecnologia e combate às fraudes. As ações para combater as perdas e desperdícios de água têm avançado, o que deve influir no resultado dos próximos levantamentos.

Receba Novidades

* campo obrigatório
Repórter

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.