Quarta-feira, 26 de Junho de 2019
Oficinas nas ruas

Manaus vive verdadeira 'epidemia' de serviços mecânicos no meio da rua

Na Cidade de Deus, na Zona Leste, ou na Compensa, na Zona Oeste, problema atrapalha pedestres e vizinhança



1.jpg Na calçada ou na pista, não importa porque qualquer lugar virou extensão da oficina na rua Belém, na Compensa
14/09/2013 às 08:53

Não é difícil encontrar pela avenida Nossa Senhora de Fátima, no bairro Cidade de Deus, Zona Norte, veículos em péssimo estado de conservação ocupando calçadas ou parados nas faixas laterais da via por causa das oficinas mecânicas e sucatas localizadas na área. Carros que esperam por manutenção também são vistos nesta mesma situação. Difícil é ver o pedestre usar as calçadas sem passar por esses obstáculos.

A avenida Nossa Senhora de Fátima é a via principal do bairro Cidade de Deus. Em determinado trecho da avenida, são encontradas diversas oficinas mecânicas próximas uma da outra. No entanto, na área, não se vê pretensão dos estabelecimentos em garantir o “bem-estar” dos pedestres.

Na maioria das oficinas mecânicas que funcionam na área, os carros que aguardam por manutenção ficam parados nas faixas laterais ou nas calçadas, em frente aos estabelecimentos, sem se preocuparem com os transtornos causados.

“Isso acontece porque as oficinas querem funcionar num local em que não conseguem, muitas vezes, atender a demanda de carros. E a consequência é essa: carros parados em locais indevidos”, comentou Paulo Rocha, 45, que mora nas proximidades das oficinas mecânicas.

A moradora Izabel Magalhães, 35, também reclama que as calçadas, exclusivas para a circulação de pedestres, são constantemente invadidas pelos “intrusos”. “Por serem pequenas, elas ficam cheias e os carros ficam aguardando o conserto nas calçadas ou parados no acostamento da via”, disse.

Outro problema relatado pelos moradores diz respeito aos carros em péssimo estado de conservação que ficam parados nas faixas laterais.

Moradores cansam de reclamar

Na avenida Compensa, bairro de mesmo nome, Zona Oeste, a situação se repete e as reclamações parte de muitos moradores. “Se formos percorrer vários bairros da cidade que tem oficinas mecânicas, veremos que é uma cena comum. Isso indica que não há fiscalização nessas oficinas, pois o caso de sucatas de veículos é um absurdo”, reclamou o autônomo André Oliveira, 28.

Na rua Belém, também na Compensa, a passagem dos veículos fica ainda mais comprometida na via estreita porque na área há oficinas e em frente delas os carros ficam parados esperando o conserto.

“A rua já pé estreita e os carros ainda ficam parados onde não deveriam. São essas inconveniências que acabam prejudicando o trânsito, pois ninguém pensa no coletivo”, criticou o morador Alessandro Almeida, 33. Antes ele usava a rua como atalho, mas deixou de fazer por causa dos transtornos.

Na sexta-feira(13), por exemplo, havia um caminhão de entregas de uma loja de imóveis estacionado em frente a uma residência e a passagem de veículos ficou ainda mais complicada por causa dos carros que esperavam ser consertados.

Apesar de não causarem transtornos ao fluxo de veículos na pista, a preocupação dos moradores diz respeito ao risco de foco de doenças tropicais, como dengue, por servirem de criadouro para o mosquito transmissor da doença.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.