Publicidade
Manaus
Flores

Matagal ‘expulsa’ pedestres da calçada na Zona Centro-Sul de Manaus

Falta de manutenção obriga pedestres a caminhar pelo acostamento da via, sob o risco de atropelamentos 15/02/2017 às 11:58
Show mato
Clovis Miranda
Isabelle Valois Manaus (AM)

Em uma cidade onde as poucas calçadas existentes são disputadas por vendedores ambulantes, expositores de lojas, veículos e até mesmo entulho e ferro-velho, o matagal parece ser o “menor dos problemas” para a prefeitura “tirar do caminho” do pedestre. Só parece. Pelo menos, é o que revela a atual situação das calçadas na rua Barão de Indaiá, no bairro Flores, Zona Centro-Sul, tomadas pelo matagal que, em alguns trechos, chega a passar de 1,50 de altura. 

Por causa disso, a maioria das pessoas que caminha por essa área precisa se arriscar ao atravessar a rua - em uma curva, sem faixa de pedestres nem redutores de velocidade -  para não ter que passar no “meio do mato”. Quem não quer atravessar, se arrisca do mesmo jeito: andando pela sarjeta, a poucos metros dos veículos que passam pela rua. 

A frentista Josimari Costa Paixão, 34, contou o problema “não é de hoje”. “Acho que isso irá render até quando algum acidente acontecer, pois ou o pedestre anda no mato, o que é meio difícil, pois ele está bem grande, ou então se arrisca caminhando pela pista”.

De acordo com a frentista, outro problema é que, pela via, transitam veículos pesados. “Nesta rua sempre vejo ônibus transitando, às vezes até em alta velocidade, principalmente nesta curva. O problema é um pedestre ser atropelado. Se o pedestre tivesse uma calçada digna talvez, o acidente possa ser evitado”, disse.

A dona de casa, Geovana Damasceno Ribeiro, 36, disse que, todos os dias, quando vai à parada de ônibus, precisa arriscar a vida por causa do matagal. “Meu medo é que neste mato tenha cobra, ratos e outros bichos. Para não arriscar, prefiro andar na pista. Até estou acostumada com a situação, mas preferia poder andar na calçada e evitar pôr a vida em risco”, reforçou.

Estrutura precária
Conforme os moradores, tanto do lado direito como do lado esquerdo da via as calçadas estão em péssimas condições: são muito estreitas, não possuem calçamento e, nos últimos meses, têm sido tomadas pelo mato, diante da falta de limpeza urbana. 

Geovana afirmou que a presença de mato nas calçadas é normal na rua Barão de Indaiá. Conforme ela, a prefeitura até envia funcionários da limpeza para aparar o mato, mas como não há frequência, o problema sempre volta a acontecer. “E, desde o ano passado, a via recebeu a sede da SMTU (Secretaria Municipal de Transportes Urbanos). Pensávamos que a situação iria melhorar, mas continua do mesmo jeito. O jeito é ou a população se reúne para fazer mutirão de limpeza ou arriscamos a própria vida dividindo a pista com os carros, já que não se tem calçadas. Acho que o que nos resta é a segunda opção”.

Sem Resposta

A reportagem de A CRÍTICA entrou em contato com a prefeitura, mas até o fechamento desta edição, a Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) não havia se pronunciado sobre o problema.

Publicidade
Publicidade