Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
versailles_1.JPG
publicidade
publicidade

SEGURANÇA PÚBLICA

Conheça a 'Rede de Vizinhos Protegidos’, a ideia que deu certo, em Manaus

Parceria entre os moradores e a Polícia Militar transformou a rotina do conjunto Jardim Versailles e conseguiu inibir assaltos e roubos em uma das áreas que tinha altos índices de ocorrências na cidade


02/04/2017 às 05:00

Criado há um pouco mais de um ano, o projeto “Rede de Vizinhos Protegidos” (RPV), no conjunto Jardim Versalles, na Zona Centro-Oeste de Manaus, mudou a rotina dos seus mais de 6 mil moradores. Hoje, além de contar com o apoio da Polícia Militar, os moradores aprenderam que Segurança Pública também é papel para toda a comunidade. 

O projeto piloto é uma iniciativa da PM, lançada em agosto de 2015. Por ser uma área de conjunto residencial e com alta incidência principalmente de roubos, à época, o problema chamou a atenção e foi o pontapé inicial para o embrião do que é o hoje o projeto.

"Tínhamos uma demanda muito grande na questão da segurança nessa área. E as pessoas não se conheciam, não se falavam. Foi a partir disso que percebemos a necessidade de quebrar alguns paradigmas e diminuir a distância que havia entre os moradores e a polícia”, explicou o comandante do CPA Oeste, Tenente-Coronel  Jerry Menezes.  Segundo ele, a ideia é expandir a iniciativa para outras comunidades na capital. 

Hoje, com reuniões e palestras semanais, os moradores das mais de 30 ruas de todo o conjunto afirmam que os roubos diminuíram aproximadamente 80%, além de reaproximar os moradores. 

“Nós sentimentos essa redução imediatamente porque temos um contato direto com os policiais seja pelas redes sociais ou através de uma ligação. Aprendemos a ficar mais atentos ao que acontece em nossas ruas e compartilhar as informações entre os vizinhos”, destacou o bacharel em direito Délson Vieiralves, 55, que há 30 anos mora no conjunto. 

Uma das principais características do Rede de Vizinhos Protegidos é a observação no ambiente em vivem. “Antes, cada morador se importava apenas com a sua casa e muitas vezes, sequer conhecia o vizinho o do lado. A gente mostrou como é importante um cuidar do outro e como o compartilhamento das informações de suspeitos podemos no auxiliar no policiamento diário”, afirmou o tenente André Proença, responsável por implementar a ideia no conjunto. “Esse programa já existia em Minas Gerais e fui realizar um curso lá e trouxemos a proposta para cá”. 

Além do tenente, o aspirante Celso Neto, o cabo Ney e o soldado Ribeiro são os responsáveis em atender as demandas dos moradores do conjunto e diariamente realizam visitas comunitárias no conjunto. 

Equipe RPV: Cabo Ney, Tenente André Proença, Tenente-Coronel Jerry Menezes e Aspirante Celso Neto (da esquerda para a direita)

 

publicidade

“Esse projeto é muito bom porque organizou os moradores de tal forma, que hoje em dia é comum realizarmos várias atividades juntos. Sempre fazemos café da manhã, festinhas e temos sempre a polícia perto da gente”, contou a aposentada Neuma Soares, 53. 

A dona de casa Socorro Lopes, 52, que mora na rua 25, lembra que antes do projeto ela costumava observar tudo o que acontecia na rua, mas não podia fazer nada. “Cansei de ver assaltos na rua, mas por desconhecimento, não tomava nenhuma atitude. Agora eu sei o que fazer e como agir em uma situação como essa”, disse. 

“Eles são um olho da instituição dentro da comunidade”, ressaltou o comandante Menezes.

Moradores estão satisfeitos com o programa e afirma que a criminalidade reduziu em até 80% no conjunto.

 

Parceria traz novas ações

Uma das mudanças significativas encontradas no conjunto Jardim Versalles,  é as ruas começaram a se organizar e criar até associação de moradores. Na rua 32, a parceria entre os moradores proporcionou que eles conseguiram até implantar vigilância 24h, além de restringir o acesso de pessoas desconhecidas ao local.

“A última ocorrência registrada aqui foi há um ano. Minha esposa sofreu uma tentativa de assalto e os criminosos chegaram a atirar contra ela. Por sorte ela não se feriu, mas foi a partir daí que todos nós percebemos podíamos fazer algo mais”, informou o funcionários público Gabriel Melgueiro, 50. O presidente da associação dos moradores da rua 32, Nilson Silva, destacou que os moradores estão mais conscientes.

“Agora estamos instalando câmeras de segurança para reforçar ainda mais a segurança. Todas essas nossas conquistas só foram alcançadas do RVP, que é muito importante para todos nós”, completou.

Blog - Celso Neto,  Aspirante
"Esse tipo de trabalho nos ajudou até a desarticular um “escritório” de uma facção criminosa que estava funcionando no local. Os moradores perceberam a movimentação estranha de carros e pessoas desconhecidas e em uma reunião, colocaram isso em pauta. O delegado do 17º DIP também estava presente e a partir daí, e com as informações dadas pelos  moradores, nós conseguimos desmantelar esse escritório. A casa tinha até sido alugada para esse fim, no tráfico de drogas. Então, uma das premissas do projeto é  a mudança de comportamento. Ou seja, é você deixar de se preocupar somente  com o seu espaço e se preocupar com o espaço  do vizinho também. Meu vizinho viajou? Então eu vou dar uma verificada na casa dele, ver se não parou algum carro suspeito, ou se tem algum barulho estranho. Então, essa é a mudança que a gente quer e é o que está acontecendo dentro do Jardim Versalles hoje". 

publicidade
publicidade
Sargento da PM baleado na boca no Alvorada não corre risco de morte
Polícia Militar prende 11 pessoas e apreende 4 armas em ação no AM
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.