Publicidade
Manaus
VOLTA ÀS AULAS

Materiais sem certificação podem causar ferimentos e contaminação

Ipem-AM iniciou, nesta quarta-feira (16), fiscalização em estabelecimentos que comercializam os 25 itens que devem ter selo do Inmetro 16/01/2019 às 17:50 - Atualizado em 16/01/2019 às 17:50
Show a1 b4d43fef 217d 4511 82ac e28df986ece0
Pais se dividem entre a qualidade dos materiais 'de marca' ou o preço. Foto: Winnetou Almeida
Karol Rocha Manaus (AM)

Materiais escolares de qualidade duvidosa podem causar graves problemas à saúde dos alunos que os manuseiam, de ferimentos a contaminação por metais pesados. É o que alerta o diretor-presidente Instituto de Pesos e Medidas do Amazonas (Ipem-AM), André Márcio Brito. Nesta quarta-feira (16), o instituto deu início à operação “Volta às Aulas”, que deve percorrer, em todo o Estado, cerca de 600 estabelecimentos que comercializam os 25 itens cuja a qualidade deve ser certificada. A fiscalização que começou ontem segue até o dia 8 de fevereiro

“Iniciamos de forma preventiva a operação com o objetivo de verificar se a quantidade declarada na embalagem é verdadeira, se corresponde ao peso ideal e se os produtos são certificados pelo Inmetro o que significa que elimina todos os riscos para os alunos”, explicou André Márcio Brito.

Os consumidores que vão realizar compras escolares devem ficar atentos se nos produtos há o selo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), o que confirma a procedência segura daquele item.

Segundo o Ipem-AM, os produtos que estiveram irregulares, contendo componentes tóxicos, por exemplo, serão identificados e retirados do mercado. Entre os materiais que precisam ter certificação para serem comercializados estão tinta guache; massa de modelar; resma de papel A4; caderno, entre outros. 

“O principal problema de aquisição de massa de modelar, tinta ou cola sem a certificação do Inmetro, por exemplo, é o risco da presença de metais pesados, então, automaticamente, a criança ao ter o contato com isso, ela estaria sendo contaminada”, ressaltou André Brito.

Qualidade x preço

A professora Auricênia Souza, 48, aproveitou o dia de ontem para comprar os itens que faltam na lista escolar da filha, que tem nove anos. Ela investe nas marcas reconhecidas. “Eu prefiro comprar um produto de qualidade que a gente sabe que a marca é boa. Às vezes, você paga um pouquinho a mais, mas pelo menos a procedência do material é de qualidade. Quando você vê que o produto não é bom, não adianta, a criança pode se machucar e prejudicar a saúde dela”, explicou.

Já para médica cardiologista Luiza Bittencourt, 37, o preço é fundamental na escolha dos intens. “Confesso que vou nos produtos mais baratos até porque tenho dois filhos, geralmente compro o que há de mais em conta. Confio de que tudo o que há na loja é confiável e de qualidade”.

Autuação

As empresas que comercializarem produtos que não atendem as normas em vigor serão autuadas. As multas variam de R$ 1.100 a R$ 980 mil. “A legislação está em vigor a mais de 10 anos, então nos sabemos que o mercado já conhece os procedimentos por isso que caso seja identificado algum tipo de problema será lavrado um auto de infração. A empresa terá um prazo de até dez dias para apresentar a defesa e a multa pode chegar a 900 mil reais”, explicou André Brito.

“O consumidor deve observar se na embalagem existe a marca do Inmetro, o que significa que aquele produto passou por um ensaio de qualidade e não oferece risco a saúde da criança. Se ele perceber o peso da resma de papel muito leve, por exemplo, denuncie na ouvidoria do Ipem”, comentou. Caso o consumidor encontre alguma irregularidade pode entrar em contato com a ouvidoria do Ipem-AM, pelo telefone 0800-092-2020, de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h, ou pelo e-mail ouvidoriaipem@ipem.am.gov.br.

Balanço parcial

Durante o primeiro dia da operação “Volta às Aulas”, nesta quarta-feira, 50 estabelecimentos foram fiscalizados, sendo apenas duas empresas notificadas. Ao todo, 450 produtos foram fiscalizados, sendo encontradas 25 irregularidades como falta de indicação e informação sobre dimensão e peso. Entre os itens com irregularidades detectadas estão pasta com elástico, prancheta, tinta guache e cola branca.

Os itens analisados:

• Apontador;
• Borracha e Ponteira de borracha;
• Caneta esferográfica/roller/gel;
• Caneta hidrográfica (hidrocor);
• Giz de cera;
• Lápis (preto ou grafite);
• Lápis de cor;
• Lapiseira;
• Marcador de texto;
• Cola (líquida ou sólida);
• Corretor Adesivo;
• Corretor em Tinta;
• Compasso;
• Curva francesa;
• Esquadro;
• Normógrafo;
• Régua;
• Transferidor;
• Estojo;
• Massa de modelar;
• Massa plástica;
• Merendeira/lancheira com ou sem seus acessórios;
• Pasta com aba elástica;
• Tesoura de ponta redonda;
• Tinta (guache, nanquim, pintura a dedo plástica, aquarela).

 

Publicidade
Publicidade