Publicidade
Manaus
Manaus

Merendeira que ganhou fama após discutir com Amazonino dá a volta por cima

Em fevereiro de 2011, quando o deslizamento de terras deixou uma família soterrada, o então prefeito de Manaus chegou a discutir com Nice, que é paraense e mãe de sete filhos 12/01/2015 às 10:01
Show 1
Nice vive com orgulho ao lado dos filhos, na casa onde paga R$ 32 por mês
luana carvalho ---

“Em dias de chuva como esses, eu nem dormia. Minha casa alagava e a cama ia parar no teto”. Quase quatro anos depois do deslizamento de terras que matou três pessoas na Comunidade Santa Marta, Zona Norte, uma das principais protagonistas desta história, Laudenice Cantalista, hoje com 40 anos, relembra o sofrimento de ter morado em uma área de risco e conta como a discussão com o ex-prefeito Amazonino Mendes, repercutida nacionalmente, ainda influência sua vida.

“Foi uma situação muito triste e até hoje, quando falam de mim, lembram do episódio. Sou conhecida como a mulher que o prefeito mandou morrer. No trabalho, na vizinhança, todos zombam de mim”, conta.

‘Nice’, como é conhecida na comunidade Santa Marta, mora há dois anos no Residencial Viver Melhor do bairro Santa Etelvina, na Zona Norte. A equipe de A CRÍTICA esteve no conjunto procurando pela merendeira, mas os vizinhos não a conheciam pelo nome. Somente quando lembrados da frase “então morra”, é que souberam indicar o apartamento dela.

Mesmo com a ofensa, a merendeira acredita que se não fosse a repercussão do caso, ainda estaria, até hoje, na lista de espera da Superintendência de Estado de Habitação (Suhab).

Reerguendo aos poucos

No apartamento simples, mas arrumado, Laudenice diz que ainda “está se reestabelecendo”.   Uma televisão pequena, fogão, geladeira, mesa de jantar, um roupeiro e uma cama fazem parte da mobília do apartamento.  Ela paga parcelas de R$ 32 para quitar o imóvel e reclama do preço alto da energia. “Aqui onde estou morando é muito melhor do que onde eu morava. Mas a conta de luz é muito alta, e olha que passo o dia fora, trabalhando”, comentou.

Laudenice disse, ainda, que desde o dia 23 de fevereiro, quando foi retirada da área de risco, não voltou mais no local. “Nunca mais voltei lá. São lembranças de dias difíceis que por mais que eu tente, nunca vou me esquecer”, comentou a merendeira, ressaltando que desde aquele dia, nunca mais viu ou falou com Amazonino Mendes.

“Então está explicado”

Em fevereiro de 2011, quando o deslizamento de terras deixou uma família soterrada, o então prefeito Amazonino Mendes chegou a discutir com Nice, que é paraense e mãe de sete filhos, sendo que quatro ainda moram com ela.

O prefeito disse que as pessoas da comunidade ajudariam a prefeitura “não fazendo casas onde não devem”. Foi quando Laudenice retrucou: “Mas a gente está aqui porque não tem condição de ter uma moradia digna”. O prefeito respondeu: “Minha filha, então morra, morra”. A moradora respondeu que, se era assim, “então vamos morrer todos”. O prefeito então perguntou a origem dela e teve como resposta que  ela era do Pará. Foi quando Amazonino encerrou a discussão dizendo: “Então pronto, está explicado”.

Publicidade
Publicidade