Publicidade
Manaus
trânsito

Mesmo com Zona de Restrição, caos ainda reina nas ruas do Centro de Manaus

Aproveitando ausência de fiscalização, condutores de veículos pesados ignoram Zona de Restrição de Circulação 01/06/2016 às 20:28 - Atualizado em 02/06/2016 às 08:48
Show banana
Foto: Márcio Silva
Isabelle Valois

Veículos pesados continuam a desrespeitar a proibição dos horários de tráfego em algumas ruas do Centro de Manaus. Desde 2013, o decreto nº 2.100 do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) definiu as restrições de horários e cargas. Quem trabalha nesta área afirma que o decreto é cumprido quando há a presença de agentes do trânsito, fora isso, motoristas de caminhões e até carretas desrespeitam o norma. 

De acordo com a portaria, ficou proibido o trânsito de veículos com Peso Bruto Total (PBT) acima de 16 toneladas entre os horários de 6h às 20h de segunda a sexta e, no sábado, até as 17h, na Zona de Máxima Restrição de Circulação (ZMRC), que engloba as vias Marquês de Santa Cruz, Lourenço da Silva Braga, dos Andradas, Joaquim Nabuco - no trecho entre as ruas dos Andradas e Quintino Bocaiúva -, Floriano Peixoto e a própria Quintino Bocaiúva.

Na manhã de ontem, A CRÍTICA flagrou vários veículos que tinham PBT maior que 16 toneladas circulando na via e ocasionando congestionamentos. O taxista Clemilton Chaves, 46, que trabalha nessas áreas restritas, contou que diariamente os caminhões de carga desrespeitam o decreto, principalmente quando não há fiscalização.

“Essa situação é bem comum nessa região. Há um desrespeito pela legislação do trânsito. Quando fica sem a visita dos agentes de trânsito, o local volta a ser como era antes. É preciso pressionar esses condutores para evitar até um acidente nesta área, pois se foi restringido é para evitar algo”, comentou o taxista.

Carga e descarga

De acordo com Chaves, outra situação que atrapalha é a descarga irregular dos caminhões nessas vias. “Retirar as mercadorias nessas vias atrapalha muito o trânsito nesta área. Lojistas afirmam que é totalmente liberado, mas é por esse meio que os caminhões continuam circulando em horários proibidos. Eles param e dizem que estão lá desde antes das 6h, horário permitido para transitar sem serem multados”, disse.

O frentista Manoel Siqueira, 53, contou que há fiscalização de agentes de trânsito, porém eles não ficam diretamente no período de restrição. “Os agentes aparecem por aqui, mas logo vão embora e, por isso, os motoristas de caminhões ficam livres para fazer o que bem entendem. A restrição até que funcionou no início, mas depois voltou a baderna”, reforçou. 
Isentos

Estão isentos das proibições determinadas no decreto os automóveis, caminhões e máquinas que prestam os seguintes serviços: urgência, prestação de serviços de utilidade pública, cobertura jornalística, obras e serviços de emergência, obras e serviços de infraestrutura urbana mediante autorização do Manaustrans e para acesso a estacionamento próprio.

Fiscalização deverá ser reforçada

O Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) informou que a fiscalização é realizada diariamente, mas que irá reforçá-la para evitar que as irregularidades persistam.  Conforme o instituto, a restrição também se estende às vias Leonardo Malcher, Luiz Antony, Governador Vitório, Tamandaré, Marquês de Santa Cruz, Floriano Peixoto, 7 de Setembro e Joaquim Nabuco.

Sobre a descarga de mercadorias, o Manaustrans informou que só ocorre nos lugares devidamente identificados pelo próprio instituto. Para realizar o embarque e desembarque de mercadorias, o veículo deverá se posicionar no sentido do fluxo, paralelo ao lado da pista de rolamento e junto da guia da calçada (meio-fio), exceto quando especificado na sinalização de regulamentação.

As regras estabelecem ainda que o abandono de veículo de carga nas vias dentro do perímetro estabelecido pelo Decreto Municipal resulta em multa, apreensão ou remoção para o pátio do Manaustrans.

Liberado para o porto

A circulação na  avenida Lourenço da Silva Braga (Manaus Moderna) e alças adjacentes à ponte de Educandos ficam livres para veículos com tonelagem superior à estabelecida na portaria, para fins de entrada e saída no Porto de Manaus, independentemente de horários de restrição.

Publicidade
Publicidade