Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
INVESTIGAÇÃO

Melvino Jr. e PM Portilho foram mortos por mesmos pistoleiros da FDN, diz polícia

Fabiano Barbosa de Souza, o “Índio”, ainda é procurado pelo envolvimento nos dois crimes. Veja as fotos dos que são procurados pela polícia



homens.JPG Henrique Silva da Silva, 22, conhecido como “Kinho”, e Fabiano Barbosa de Souza, o “Índio”. Foto: Divulgação
13/06/2017 às 18:23

Henrique Silva da Silva, 22, conhecido como “Kinho”, e Fabiano Barbosa de Souza, o “Índio”, têm ligação com os assassinatos do cantor Melvino Jr. e do soldado da Polícia Militar Paulo Sérgio Portilho, ocorridos respectivamente no dia 29 de abril no município de Codajás e 30 de maio na cidade de Manaus. A informação foi confirmada pelo titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), delegado Juan Valério.

De acordo com ele, ambos são pistoleiros da facção criminosa Família do Norte (FDN) e moravam na invasão Buritizal Verde, no bairro Nova Cidade, na Zona Norte da capital, onde Portilho foi agredido e morto.



“No caso de Melvino, eles foram contratados pelo Mistério [Evenilson de Oliveira Ferreira] e Marquinho [Marcos Ribeiro Ramos], mas quem intermediou a contratação foi o Dentinho [Josiel Oliveira Lavareda]. Índio e Henrique são pistoleiros da FDN e moravam na invasão onde ocorreu o a morte do soldado Portilho. Eles foram até Codajás executar o traficante chamado Vitão, que é rival do Mistério e do Marcos”, contou.

O titular da DEHS informou ainda que Melvino Jr. foi morto por engano porque Henrique e Índio não conheciam os contratantes e nem o traficante Vitão.

“Uma menina menor de idade, que estava na mesma festa onde o traficante e o Melvino estavam, indicou o Vitão como tendo uma tatuagem no braço e um cordão de ouro. Ela disse para irem ao local porque o traficante estava lá. Aí, Henrique e Índio foram executá-lo e viram em Melvino características semelhantes. Melvino tinha uma tatuagem no braço e estava com cordão. Eles executaram o cantor e voltaram para Manaus depois de algum tempo”, complementou.

Já em Manaus, Henrique e Índio participaram da morte do policial Portilho na invasão Buritizal Verde. O PM estava desaparecido desde a noite do dia 26 de maio, após sair para trabalhar. “Tanto Índio quanto o Henrique participaram da execução do soldado Portilho. Eles estão entre os 15 envolvidos na morte. Eles fizeram a contenção do Portilho, o agrediram e ajudaram a executá-lo”, declarou.

Na segunda-feira (12), Henrique foi um dos três suspeitos presos de terem participado da morte do cantor. Ele foi apresentado hoje juntamente com Kaison Rodrigo Pena da Silva, 23 anos, e Ozivan dos Santos Oliveira, 31.

Permanecem foragidos do caso de Melvino Jr: Evenilson de Oliveira Ferreira, o “Mistério”; Marcos Ribeiro Ramos, o “Marquinho”; Josiel Oliveira Lavareda, o “Dentinho”; e Fabiano Barbosa de Souza, o “Índio”, que também participou da morte de Portilho.

Do caso do PM, além de Índio, permanecem foragidos William Paiva, o “Sorriso”; Bruno Medeiros Mota, o “Filé”; e um homem identificado apenas como “Gigante”.


Procurados do caso Melvino Jr.          

   
                   Procurados do caso do PM Portilho
                                                     


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.