Publicidade
Manaus
Opção

Milhares de pessoas resolveram ir à praia do que participar das manifestações

A família do motorista Idelsonfo Araújo, 54, não parecia estar muito preocupada com a votação, deste domingo (17), e curtia a praia do Açutuba 17/04/2016 às 19:24 - Atualizado em 18/04/2016 às 10:22
Luana Carvalho Manaus (AM)

No dia em que houve manifestações pró e contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT), em dois cantos da cidade, além da  partida final da Taça Guanabara com Fluminense e Vasco na Arena da Amazônia, muitas famílias preferiram ficar longe das grandes massas e aproveitar o domingo com banho de rio.   

A família do  motorista Idelsonfo Araújo, 54, não parecia estar muito preocupada com a votação, ontem, e curtiam a praia do Açutuba, no município de Iranduba (distante 27 quilômetros de Manaus). “Nosso domingo já estava programado antes mesmo de sabermos do impeachment, e não é por causa disso que deixaríamos de curtir o dia”, comentou.

A esposa dele, Paula Pantoja, 49, é contrária a retirada da presidenta. “É trocar doze por meia dúzia”, salientou. Nem o amigo da família, o ajudante de motorista Márcio Silva, 35, que torce para o Vasco, quis ficar na cidade no domingo (17) de folga. “Vai estar um furdunço só. Então prefiri ficar mais tranquilo”, disse.

Na mesma praia, dois casais amigos, vindos de São Paulo (SP), também quiseram se afastar das grandes movimentações. “Esse impeachment, na minha opinião, não vai dar em nada. O País vai continuar como está, então prefiro nem ir para as ruas”, ressaltou o surpervisor de compras, Sérgio Coutinho, 54.

Quem também optou pela praia foi  a educadora Juscenira Ferreira Amorim, 53, e o marido, Levi Silva, 55, que moram em Tefé e durante passagem por Manaus resolveram conhecer a praia do Açutuba. Enquanto desfrutavam de tucumã com farinha, o casal curtia o sol da manhã, na beira do rio, sem preocupação. “Não tenho porque participar das manifestações contra a Dilma porque eu não sou a favor do impeachment. O governo PT melhorou muita coisa no Brasil, principalmente na educação. Hoje em dia muitos jovens tem acesso a educação, coisa que há um tempo atrás, não existia”, comentou a educadora. 

Praia da Ponta Negra

O movimento na praia da Ponta Negra, na Zona Oeste de Manaus, foi “normal”, segundo Joelma Santos, uma das permissionárias das barracas da praia. “Quando é um domingo próximo de feriado, ou no feriado mesmo, o movimento é maior. Hoje eu diria que está normal”.

Publicidade
Publicidade