Terça-feira, 22 de Outubro de 2019
ESPERANÇA

Ministério da Educação busca caminhos para federalizar a gestão da Fucapi

Ministro Rossieli Soares reuniu-se com membros do MP, Ifam e Governo Federal para abrir um grupo de trabalho que busca a continuidade da instituição de ensino



WhatsApp_Image_2018-07-23_at_09.59.16.jpeg (Foto: Divulgação / MEC)
23/07/2018 às 10:35

O Ministério da Educação está buscando viabilizar a federalização da Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação (Fucapi), instituição de ensino do Amazonas que acumula dívidas de mais de R$ 100 milhões.  A informação havia sido antecipada pela coluna Sim & Não, do jornal  A CRÍTICA, e foi oficializada hoje.

O primeiro passo concreto para esta proposta, idealizada pelo ministro Rossieli Soares, que foi secretário de Educação do Amazonas, foi dado na manhã desta segunda-feira, em uma reunião no Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM). Participaram do encontro, além do ministro, o procurador-geral de Justiça do Amazonas, Fábio Monteiro, a promotora de Justiça Kátia Oliveira, o reitor do Instituto Federal do Amazonas, Antônio Venâncio e  o secretário de Educação Profissional e Tecnológica do Governo Federal, Romero Portella Filho, além do deputado federal Pauderney Avelino.



À reportagem, o ministro Rossieli Soares afirmou que a ideia surgiu depois que ele acompanhou os recentes problemas envolvendo a Fucapi. A empresa Azione Education, que havia tentado assumir os trabalhos, foi afastada depois de dois meses em que não conseguiu cumprir os objetivos iniciais.Na semana passada, em audiência na Justiça, a empresa abdicou de qualquer plano de gestão na instituição. "Vimos que houve uma tentativa inicial que não deu certo, com uma empresa privada, e ficamos bastante preocupados para que o trabalho não seja descontinuado e não prejudique os alunos.  Por isso liguei para a promotora Kátia e para o Dr. Fábio oferecendo toda a ajuda necessária".

Ainda não há uma proposta definida de como funcionaria uma Fucapi sob a gestão do Governo Federal. Mas a presença do Ifam na reunião, representado pelo seu reitor, sinaliza uma possível parceria cuja viabilidade ainda será estudada. "Definimos que será formado um grupo de trabalho para ver como poderemos fazer isso, qual o tratamento será dado aos problemas, às dívidas da Fucapi, porque também não podemos pagar dívidas com o dinheiro público. Mas acredito que vamos encontrar o melhor caminho para que a Fucapi volte a cumprir seu papel na sociedade", explicou Rossieli.

O procurador-geral de Justiça, Fábio Monteiro, apontou a participação da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) na construção desse modelo. "O caminho seria encontrarmos uma solução jurídica, que entendo ser perfeitamente possível, para que, em federalizando a Fucapi, a Suframa absorva esse passivo trabalhista, até porque ela tem uma ligação direta com a fundação, para que assim consigamos desvincular a instituição de ensino da fundação", afirmou o procurador-geral, ressaltando que o objetivo principal é manter a instituição como espaço de pesquisa e capacitação desde que "sem retirar direitos". 

Dentro de duas semanas, uma nova reunião deve ser feita para que os próximos passos sejam definidos. De acordo com o ministro, entre as formas discutidas, existe a possibilidade de uma criação de uma lei que permita a federalização da instituição, daí a necessidade da presença do deputado Pauderney Avelino na reunião. "Empenho não vai faltar. Com o esforço de todos, acho que temos condições de dar um encaminhamento bom para essa questão", afirmou, confiante de que qualquer  encaminhamento dado pelo futuro da Fucapi terá uma olhar para o futuro. "Queremos uma solução que sirva não só para agora, mas para os próximos anos".


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.