Publicidade
Manaus
Manaus

Minivila olímpica do Santo Antônio segue com a reforma paralisada

Localizados ao lado da CMM, centro esportivo está em estado precário e feira é prejudicada pela lentidão das obras  07/09/2013 às 08:18
Show 1
Piscina que já abrigou aulas de natação está tomada pelo lodo e por girinos
André Alves ---

Da janela dos gabinetes da Câmara Municipal de Manaus (CMM), vereadores testemunham, diariamente, o abandono de um bem público que poderia servir à população, mas está à disposição de ratos e baratas. A minivila olímpica do bairro Santo Antônio, na Zona Oeste, é exemplo da parca influência que os fiscais do Executivo têm nas ações da administração municipal.

Pago pelo contribuinte, o complexo esportivo, inaugurado em dezembro de 2002 pelo então prefeito Alfredo Nascimento, já abrigou aulas de natação, hidroginástica, programações para pessoas com deficiência e outras atividades esportivas. Hoje, as duas piscinas do local – uma delas olímpica – acumulam água da chuva, lixo e lodo. As grades das quadras estão quebradas.

Desde a recepção, o espaço tem características de abandono. As paredes estão pichadas. Os vestiários masculino e feminino, tomados por sujeira, mantém vasos quebrados e tubulações estouradas. A conservação dos banheiros é feita por guardas municipais, que não conseguem eliminar o mau cheiro do local. Durante à noite, o espaço é utilizado por usuários de droga e bandidos que procuram o local para se refugiar após delitos, conforme testemunham moradores.

Mesmo estando ao lado de um Distrito Policial, o 5º DIP, os usuários do complexo esportivo já foram vítimas de diversos assaltos. “Praticamente não dá para usar. À noite, fica muito perigoso pela presença de drogados”, diz Janderson Portela, morador do bairro Santo Antônio. Ele afirma que ele próprio, vizinhos e familiares praticavam esporte no local, mas desistiram, em virtude da falta de estrutura e de roubos. “Antes, muitas pessoas usavam para correr, praticar exercícios físicos, mas não dá mais. Está abandonado. Muita gente vai para outros bairros em busca de lazer”, comentou o morador.

A feira

Em frente à Casa Legislativa, a Feira do Santo Antônio, outro bem público, mantém aspecto de descuido. Carente de reforma, o mercado existe há 14 anos. Há meses, um tapume cerca aproximadamente dez boxes que estão, aparentemente, em reestruturação. Segundo os feirantes, a obra “nunca termina” e complica a prestação de serviço. “O tapume atrapalha muito o movimento”, diz o administrador da feira, Gilmar Lapa, servidor da Secretaria Municipal de Produção e Abastecimento (Sempab). Segundo ele, um erro no projeto dos boxes obrigou a elaboração de um novo projeto. Gilmar Lapa afirma que a feira possui 80 boxes em funcionamento e admite que reformas no espaço são necessárias.

O administrador informou que “há perspectiva de mudanças” no mercado, mas disse não haver data para que elas ocorram. “O movimento está muito devagar”, registrou a feirante Iracema Soares, 60, que trabalha no local desde quando a Feira do Santo Antônio foi inaugurada.

Bosco afirma que a Casa está atenta

O presidente da CMM, vereador Bosco Saraiva (PSDB), assegurou que o Poder Legislativo está atento às ações da prefeitura e sustentou que, apesar da maioria dos vereadores da Casa pertencer à base aliada do prefeito, levam ao Executivo as demandas da população. Saraiva afirmou que ele próprio, há três meses, conversou com o secretário municipal de Esporte, Fabrício Lima, pedindo providências para a reforma da minivila olímpica do Santo Antônio. Ele disse ter ouvido do secretário que ainda em 2013 o espaço seria reformado.

“Eu mesmo já falei com o Fabrício a respeito do assunto. Segundo ele me disse, estava previsto uma recuperação nas piscinas e nos banheiros ainda este ano. Falei com ele há uns três meses quando o local estava tomado de mato. Ele disse que este ano havia uma previsão de uma recuperação da área”, comentou Bosco Saraiva. De acordo com o presidente da CMM, após a conversa, o complexo esportivo ganhou serviços de capinação.

Sobre a Feira do Santo Antônio, que fica em frente à CMM, o parlamentar admitiu que o local está com aspecto de abandono. “As feiras de Manaus, com raríssimas exceções, se encontram com aspecto muito depreciado”.

Blog Fabrício Lima - Secretário Municipal de Esporte

“O projeto de reforma da minivila olímpica do Santo Antônio já está em curso”, disse o secretário municipal de Esporte, Fabrício Lima. Ele sustentou que o tempo de existência do espaço (11 anos) e a ação de vândalos contribuíram para que o complexo fosse deteriorado. Lima afirmou que as pichações nas paredes do local, os banheiros com vasos quebrados e grades arrebentadas não são ações do poder público. “Não adianta só recuperar. O trabalho da comunidade em zelar é muito importante. Em muitos complexos esportivos temos problema de roubo de bombas, de fios de cobre, de vasos sanitários. Há pessoas que entram nos espaços somente para depredar”, comentou. Ele informou que o local já foi visitada pelo prefeito Artur Neto. A reforma deve iniciar este ano.


Publicidade
Publicidade