Publicidade
Manaus
EMBATE

Morador instala barreiras em calçada para impedir trânsito de motocicletas

Francisco Lemos decidiu agir após Manaustrans e Implurb não tomarem medida para impedir irregularidades no local em horários de pico do trânsito. Ação do morador é passível de multa 10/07/2018 às 06:00 - Atualizado em 10/07/2018 às 11:52
Show barreira
Foto: Euzivaldo Queiroz
Álik Menezes Manaus (AM)

Após presenciar inúmeras infrações de trânsito e diversos casos de “quase” atropelamento, o empresário e morador do edifício Marajó, localizado na esquina das ruas Ayrão e Joaquim Nabuco, no Centro de Manaus, Francisco Lemos, decidiu tomar uma atitude extrema e instalou obstáculos em dois trechos da calçada do prédio na tentativa de impedir que motoqueiros transitem no local em alta velocidade ou estacionem.

O empresário disse que agiu dessa forma porque ligou inúmeras vezes para o Instituto de Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito de Manaus (Manaustrans) para pedir que o órgão fiscalizasse ou desenvolvesse alguma ação para impedir irregularidades no local em horários de pico, mas não foi atendido.

“Ligamos algumas vezes, mas nunca tivemos nossas reclamações atendidas, nunca foram até lá. Os motoqueiros estacionam em cima da calçada e, nos horários de engarrafamento, sobem na calçada para fugir do engarrafamento. Eles fazem uma fileira. Na semana passada quase fui atropelado quando dobrava a esquina e precisei me jogar. Graças a Deus só fui batido no braço”, relatou. 

Lemos resolveu então procurar o Instituto de Ordem Social e Planejamento Urbano (Implurb) para tentar uma solução para o problema. “Liguei umas três vezes e falaram que não era com eles e que eu deveria procurar o Manaustrans. Na semana passada quase fui atropelado e esse foi o limite. Então decidi tomar essa atitude extrema. Nossa situação é preocupante, temos muitos idosos que moram ali no prédio e correm risco na calçada”, lamentou. 

A implantação dos obstáculos na calçada iniciou na última quinta-feira (5), quando o empresário contratou um pedreiro para construir pequenas colunas e desembolsou R$ 900.

Segundo Lemos, essa foi a única maneira que conseguiu ter para atrair a atenção. “Não está correto, mas fiz um levantamento em um raio de 300 metros naquela área. Estamos apenas defendendo nossas famílias”, justificou ele. 

Passível de multa

Nessa segunda-feira (9), enquanto a equipe de reportagem estava no local, uma fiscal do Implurb chegou para entregar uma notificação aos responsáveis do prédio. “Eles não podem fazer isso. A lei proíbe. Vamos notificar e eles terão 24 horas para remover (os bloqueios). Caso não façam isso dentro do prazo, serão multados”, afirmou Silvia da Silva, fiscal do Implurb. Ela afirmou também que diariamente entrega pelo menos 10 notificações desse tipo na capital.

O que diz o CTB

O artigo 193 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) diz que é infração gravíssima transitar com veículo   em calçadas, passeios, passarelas, ciclovias, ciclofaixas canteiros centrais e divisores de pista de rolamento e acostamentos.

Já o plano diretor diz que calçadas, passeios e logradouros públicos devem ser mantidos em bom estado pelo proprietário, de forma a permitir, com acessibilidade, o trânsito de pedestres e cadeirantes. O artigo 36 do Código de Postura, parágrafo único, informa que o proprietário deve realizar as obras necessárias ao calçamento e conservação do passeio correspondente ao imóvel.

Nota da prefeitura

Em nota, a Prefeitura de Manaus informou que já notificou o referido edifício para que o mesmo faça a imediata demolição voluntária da obra irregular que obstrui o passeio público, sob pena de outras sanções como multa e demolição administrativa pelo Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb). De acordo com a prefeitura, se não for cumprida a notificação, deverão ser “tomadas as providências para a demolição administrativa”. 

Já o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) informou que irá intensificar a atuação no local a fim de coibir que condutores de motocicletas invadam as calçadas.

Publicidade
Publicidade