Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019
A CÉU ABERTO

Moradores convivem com esgotos entupidos no Parque Residencial São Raimundo

Há um mês, o problema transformou a área de lazer do local e falta de higiene preocupa a vizinhança. Governo diz que excesso de gordura na tubulação causou problemas



prosamim.JPG Com bueiros entupidos, esgoto se acumulou e formou uma ‘piscina’ em plena área de lazer do conjunto habitacional. (Foto: Aguilar Abecassis)
15/08/2017 às 10:37

Quem reside no Parque Residencial São Raimundo, na Zona Oeste, tem enfrentado problemas com o entupimento de esgoto, que há mais de um mês corre a céu aberto, em meio à área de lazer do local. Com o vento, o mau cheiro ganha mais intensidade e se espalha pela vizinhança. A falta de condições de higiene preocupa os moradores. 

O autônomo Luiz Queiroz, 58, ressaltou que crianças que gostam de brincar fora de casa e até adultos correm riscos de adoecer por conviver com o esgoto a céu aberto. “Tem dias que a água suja se espalha por quase toda a área do residencial, contaminando tudo. Ninguém ficou doente, mas isso é questão de tempo”, afirmou.  



O microempresário Kardec de Souza Reis, 47, disse que não é a primeira vez que o problema acontece. Da última vez, também demorou a ser resolvido, como agora. “Eles dizem que é mau uso, mas é uma desculpa esfarrapada. Ocorre que a tubulação é pequena e não atende a demanda. Fizeram um serviço mal feito”, reclamou o morador, que cobrou melhorias. 
 
Reis salientou que só desentupir os canos de esgoto não vai resolver o problema. Pelo contrário, ele continuará sendo recorrente. “Tem que trocar a tubulação. Se não fizer isso vamos continuar sem conseguir fazer nada dentro de casa porque a água da pia da cozinha e do banheiro não desce. Fora o cheiro ruim que temos que aguentar”. 

A aposentada Maria do Socorro Tabosa Ferreira, 66, é outra moradora que reclama do problema. Ela disse que é difícil ficar em casa com as janelas abertas porque o mau cheiro é insuportável. E ninguém pode aproveitar a área de lazer do residencial. “A pracinha virou um lago e para onde a gente vai sente o fedor. Não aguentamos mais essa situação. Queremos uma solução definitiva”, reclamou.

Resposta

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Manaus (SRMM) informou que tem conhecimento do problema e está numa ação junto a construtora do residencial e a Manaus Ambiental para sanar o problema, que foi ocasionado pelo excesso de resíduos (gordura, absorvente, fraldas descartáveis, entre outros) na tubulação, que é de tamanho adequado para o recebimento de efluentes domésticos (pias e banheiros).

"Estamos trabalhando para que seja solucionado o mais breve possível. Acreditamos que no máximo até o fim do mês seja solucionado", disse em nota. 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.