Publicidade
Manaus
AÇÃO PALIATIVA E ELEITOREIRA

Moradores da Zona Norte reclamam da qualidade dos serviços do tapa-buracos

População afirma que as ruas que recebem o tapa-buracos estão sendo apenas “maquiadas” 19/05/2017 às 21:37 - Atualizado em 20/05/2017 às 09:11
Show buracos valendo09999
Na rua Santa Júlia, na C. de Deus, o buraco, tomado pela água, tem até ‘banzeiro’. Foto: Euzivaldo Queiroz
Álik Menezes Manaus

Dias após a Prefeitura de Manaus anunciar a antecipação dos trabalhos do “pacote de obras de verão”,  lançado no inverno amazônico, moradores afirmam que as ruas que recebem o tapa-buracos  estão sendo apenas “maquiadas”, criticam a qualidade do serviço e o classificam como “paliativo” e “eleitoreiro”.

Os trabalhos da operação iniciaram apenas na Zona Norte de Manaus e ainda não há previsão de quando chegará às outras zonas da cidade, apesar do cronograma ter sido feito, segundo a prefeitura, em janeiro desse ano.

Ontem, funcionários da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) trabalharam na avenida M, do conjunto Canaranas. Contudo, moradores não estavam satisfeitos e desconfiavam da qualidade do serviço.

 “Para você ter noção que esse trabalho é péssimo, basta lhe dizer que há menos de um mês eles estiveram aqui fazendo esse serviço, ou seja, estavam maquiando um trabalho que maquiaram há menos de um mês. Se fosse um bom asfalto, um bom serviço, eles não precisaram estar aqui tapando esses velhos buracos”, criticou o mecânico Rivaldo Saraiva, 65.

 Devido à avenida M ser uma das ruas principais do bairro, por onde passam os ônibus do transporte coletivo e outros carros pesados, o mecânico acredita que a rua deveria ser totalmente recapeada. “A solução para essa e para outras ruas da cidade seria tirar todo esse asfalto velho e colocar um novo, asfaltar de novo, mas com trabalho bom, de qualidade. Eles até gastaria menos, desse jeito eles estão jogando nosso dinheiro no ralo”, disse.

 A industriaria Marcília Paulino, 40, também criticou a qualidade do serviço e disse que as ações são eleitoreiras “pensando” no ano que vem. Segundo ela, as ruas do bairro estão totalmente abandonadas há meses. “Essa rua vive esburacada, vive em péssimas condições. Porque estão fazendo todo essa propaganda?  Eles só estão pensando no ano que vem. Na semana que vem essa fina camada de asfalto vai sair como poeira e eles vão voltar aqui e fazer a mesma coisa”, criticou.

Sem previsão
A Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) informou que não há previsão de data especifica para obras nas vias dos bairros Monte Sião, Cidade de Deus e Campos Sales. 

Efeitos: falta de ônibus e doenças
Enquanto as ruas da Zona Norte de Manaus passam por obras de tapa-buracos, moradores dos bairros Cidade de Deus, Monte Sião, na Zona Leste, e Campos Sales, na Zona Oeste, denunciam o descaso com as ruas dos bairros.

A rua Rio Branco, localizada no bairro Monte Sião, têm trechos com crateras há vários meses. Segundo moradores, os buracos atrapalham o fluxo de veículos, danificam veículos e até contribuem para doenças respiratórias. “Tem dias que os ônibus não entram aqui. Tem motoristas que já tiveram prejuízos com a manutenção dos carros e nós temos adoecido por causa da poeira dessa barro vermelho”, disse a comerciante Belizia Freitas, 39.

Na rua Santa Júlia, no bairro Cidade de Deus, a situação não é diferente. Os moradores precisam se unir e colocar pedras e seixos para amenizar a buraqueira. Segundo a comerciantes Marglei da Luz, 32, a rua está esburacada há mais de 5 meses. “Nós já ligamos para a secretaria e nada, eles não atendem nossa demanda. Nós já estamos cansados desse abandono, desse descaso, as ruas do bairro estão que nem peneira”, disse.

No bairro Campos Sales, na Zona Oeste, os moradores também criticam a ausência de obras da prefeitura no bairro, principalmente na rua Praia Canoa Quebrada e do Tupé. “Às vezes, o ônibus nem entra mais aqui por causa dos buracos, as pessoas tem que ir lá para fora para conseguir pegar o coletivo. Não adianta ligar, a gente não sabe mais o que fazer”, disse o mototaxista Alaíde Junior, 35.

 

Publicidade
Publicidade