Publicidade
Manaus
COBRAM LEGALIZAÇÃO

Moradores de invasões no Santa Etelvina protestam após pedido de reintegração

Invasores receberam notificação na noite de segunda-feira (4) e cobram ações do Governo para legalização. Moradores bloquearam avenida no bairro Santa Etelvina e prometem novos protestos 05/09/2017 às 12:18 - Atualizado em 05/09/2017 às 12:54
Show manifestacao
Manifestantes protestaram e cobram atenção do Poder Público (Foto: Winnetou Almeida)
Alik Menezes Manaus (AM)

Um grupo de moradores de quatro invasões localizadas no bairro Santa Etelvina, na Zona Norte da capital, fez uma manifestação na manhã desta terça-feira (5) na avenida Curaçao do mesmo bairro. Eles receberam na noite de segunda-feira (4) uma notificação sobre a reintegração de posse da área e cobram ações do Governo do Amazonas para legalizar a situação no local.

Os moradores caminharam cerca de 5 quilômetros do local invadido até a avenida Curaçao. Os manifestantes chegaram a bloquear a rua para evitar o trânsito de carros.

"Nós estamos aqui para chamar a atenção dos governantes para que nos ajudem, somos trabalhadores e precisamos de ajuda", disse José Nilton Araújo, 53, um dos líderes da comunidade Estrela Rei Davi.

O protesto iniciou às 8h30 e terminou por volta das 11h, mas o grupo ameaçava fazer novas manifestações na próxima semana caso a reintegração de posse não seja cancelada. "Vamos voltar na segunda  e terça-feira com mais pessoas e vamos demorar mais. Queremos uma resposta definitiva", disse.

Segundo os invasores, cerca de 25 mil famílias moram nas comunidades Monte Horebe, Monte Ararate, Estrela Rei Davi e Paraíso. "Nós estamos aqui unidos lutando por nossas moradias, temos esse direito. No domingo casas foram destelhadas por causa do temporal e não recebemos nenhuma ajuda do governo, isso não está certo. Queremos apenas a terra que nós invadimos e nada mais", afirmou a dona de casa Bia Kokama.

Os moradores voltaram caminhando para a comunidade e afirmaram que novas ações serão realizadas. Eles darão um prazo de uma semana para que o governo se pronuncie e ofereça alguma ajuda.

Publicidade
Publicidade