Domingo, 26 de Maio de 2019
SONHOS

Moradores de Manaus contam o que fariam com o prêmio da Mega da Virada

As apostas para o concurso que vai pagar R$ 225 milhões podem ser registradas em qualquer casa lotérica do país até as 14h (horário de Brasília) do dia 31. O jogo simples custa apenas R$ 3,50 e pode ser feito nos volantes especiais da Mega da Virada ou nos volantes comuns da Mega-Sena



30/12/2016 às 19:24

O prêmio de R$ 225 milhões da Mega-Sena da Virada garante ao apostador que acertar os seis números uma vida financeira tranquila. O sorteio, previsto para acontecer às 20h (horário de Brasília), em São Paulo, está deixando ansiosos alguns moradores de Manaus, como o estudante Threvon Gadelha, que sonha em ajudar a sua família e em abrir o seu restaurante. Por isso, ele não deixou de fazer a sua fezinha.

“Ajudaria a minha família a pagar as contas, daria uma vida melhor para todo mundo e investiria em um restaurante. Sempre quis abrir um para mim, então realizaria este sonho. Também viajaria com a minha família, compraria algumas coisas para eles, mas daria a maior parte do dinheiro para a minha mãe. Lá em casa quem guarda o dinheiro é ela”, explicou Gadelha.

O industriário Adimilson Sousa usaria parte do dinheiro para comprar a sonhada casa própria. “Hoje moro de aluguel. Depois da casa, a gente via o resto. Ajudaria a minha família. É muito dinheiro R$ 225 milhões, mas ficaria em Manaus porque, apesar de ser muito quente, é muito bom viver aqui”, justificou.

Até o colombiano Gabriel Munhoz quis aproveitar a sexta-feira (30) para fazer a sua aposta. “Se ganhasse iria desfrutar desse prêmio com a minha família e iria doar uma parte para as pessoas que precisam”, declarou. Ao ser questionado se continuaria trabalhando como supervisor, ele disse, aos risos, que não trabalharia nunca mais. “Faria um bom investimento e tentaria fazer uma obra social”.

O autônomo Luis Marcos também ajudaria a sua família e amigos, depois viajaria e retornaria para a Bahia. “Conheceria alguns lugares e voltaria para a minha terra, a Bahia, e iria ser feliz com esse dinheiro”, garantiu.

Aposto e prazo

As apostas para o concurso podem ser registradas em qualquer casa lotérica do país até as 14h (horário de Brasília) do dia 31. O jogo simples custa apenas R$ 3,50 e pode ser feito nos volantes especiais da Mega da Virada ou nos volantes comuns da Mega-Sena. Titulares de conta corrente na Caixa Econômica Federal podem fazer suas apostas na Mega da Virada pelo computador, tablet ou smartphone utilizando o Internet Banking Caixa.

O valor do jogo varia de acordo com a quantidade de números escolhidos. A aposta mínima, para quem joga seis números, custa R$ 3,50. O valor aumenta para cada número a mais escolhido. Para jogar 15 números, o máximo possível, o valor da aposta é R$ 17.517,50. No caso do Bolão Caixa, que é a aposta feita em grupo, o valor mínimo é de R$10 nas casas lotéricas.

Aplicada integralmente na Poupança da Caixa, a fortuna renderia ao ganhador cerca de R$ 1,4 milhão. Caso prefira, o sortudo pode investir em bens e adquirir 37 imóveis no valor de R$ 6 milhões, ou uma frota de mais de 50 helicópteros.

Cuidado ao utilizar o dinheiro do prêmio

Na véspera do sorteio do concurso especial mais esperado do ano, gerentes do banco que já atenderam novos milionários explicam como transformar um momento de sorte em tranquilidade para toda a vida.

“Quem recebe um dinheiro alto como este tem sempre a preocupação de como gastar, de como aplicar. Há casos de pessoas que ganhavam um salário mínimo e, sem perceber, passaram a gastar R$ 30 mil por dia”, conta Tiago Ernane Fernandes Coutinho, gerente de atendimento e negócios da Superintendência Regional Norte de Brasília responsável pela assessoria a clientes com mais de R$ 1 milhão em suas contas.

No ano passado, Coutinho orientou 8 dos 12 ganhadores de um bolão que acertou os seis números do concurso 1772 da Mega Sena, sorteado em dezembro de 2015. A aposta de Campos Belos (GO) dividiu o prêmio de quase 200 milhões com um bilhete de Santos (SP). Cada um dos cotistas levou para casa mais de R$ 8 milhões.

“O que a gente não pode deixar de discutir são os objetivos do cliente. Eu preciso conhecer a família, ver se é estruturada, para daí saber se ele precisa de mais liquidez ou não. Quando diminuo a utilização, o rendimento cresce para eles”, explica Coutinho. Hoje, quase todo o grupo orientado pelo gerente vive da renda do prêmio.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.