Publicidade
Manaus
INSEGURANÇA

Moradores de vila na Praça 14 reclamam dos constantes assaltos no local

O alvo principal dos criminosos são as mulheres. Pelos menos dez delas foram assaltadas quando entravam na vila, que fica a pouco mais de 100 da PM 24/03/2017 às 09:42 - Atualizado em 24/03/2017 às 10:48
Show 1207818
A Vila São João tem aproximadamente 20 casas e tem entrada e saída de veículos. Moradores estão assustados e pedem ajuda (Foto: Gilson Mello)
Fábio Oliveira Manaus (AM)

Moradores da Vila São João, localizada na avenida Tefé, no bairro Praça 14, Zona Sul de Manaus, têm sofrido assaltos constantes nos últimos quatro meses. O alvo principal dos criminosos são as mulheres. Pelos menos dez delas foram assaltadas no momento em que entravam na vila, que fica localizada a pouco mais de 100 metros do Comando de Policiamento Metropolitano (CPM).

De acordo com um motorista de 37 anos que mora na vila, mas preferiu manter o nome no anonimato, a suspeita dos moradores é de que um mesmo homem estaria praticando os roubos na área. “Temos quase certeza de que é a mesma pessoa”, disse, em tom de afirmação.

O motorista relatou que sua esposa já foi alvo dos bandidos. “Ela estava chegando e foi abordada. Levaram o celular dela”, explicou. Uma universitária de 23 anos informou que no primeiro sábado do mês (11) teve o aparelho celular roubado por um homem.

“Eu estava na entrada do beco e falava ao telefone. Quando eu percebi, um homem se aproximou de mim e puxou o telefone. Eu ainda puxei de volta, mas ele acabou levando. Acho que ele nem estava armado”, explicou a universitária. Por conta dos roubos, moradores evitam sair de casa à noite.

“Aqui ninguém fica mais no beco. Antigamente fazíamos festas, reuniões e ficávamos até tarde conversando com os vizinhos, mas quando chega a noite ninguém mais fica aqui. É todo mundo dentro de sua casa”, revelou a moradora Suely Brito.

Segundo ela, no último sábado (18), a filha de 15 anos e a mãe, de 60, também foram abordadas por um homem a pé. A jovem relatou que chegava com uma amiga e, ao entrar na Vila, foi abordada pelo criminoso, que lhe tomou o celular.

“Estava eu e minha avó, ele chegou e puxou meu celular e roubou também minha avó. Não consegui ver se estava armado, mas acho que não estava”, contou. A idosa de 60 anos se mudou para Parintins logo após o roubo. Além disso uma babá, que trabalha em uma casa na entrada da Vila, foi esfaqueada no início deste mês durante um assalto segundo os moradores.

O funcionário público federal Ricardo José Fonseca, 52, afirmou que o lugar está perigoso e pede mais policiamento. “Fico trancado em casa. Tive que colocar um portão grande de ferro com cadeados e trancas porque está complicado”, desabafou.

Reforço da 1ª Cicom

Em nota, a Polícia Militar informou que a 1ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) já está reforçando o policiamento no local onde os roubos foram cometidos. A corporação enfatizou que todas as ocorrências sejam registradas no 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

A nota também informa que os horários, circunstâncias e características dos infratores devem ser informados na delegacia para que sejam adotadas providências imediatas à diminuição das ações criminosas.

O comandante da 1ª Cicom, capitão Prestes, se coloca à disposição dos moradores da Vila São João para que os mesmos compareçam a sede da 1ª Cicom, na avenida Duque de Caxias, mesmo bairro, para tratar do assunto e apresentar sugestões ou denúncias. O capitão também está disponível no celular 98842-1762 para diálogo com a comunidade.

Publicidade
Publicidade