Publicidade
Manaus
OBRAS PARADAS

Moradores do bairro Vila da Prata reivindicam reforma de Complexo Esportivo

Além da prática de esportes, a quadra também era utilizada para várias atividades, entre elas os mutirões de saúde, que deixaram de ser realizados por conta da demora na reforma 31/03/2016 às 06:20 - Atualizado em 31/03/2016 às 10:02
Show vila da prata
Moradores levaram cartazes para a frente da quadra do bairro para protestar contra a demora na conclusão das obras (Divulgação)
Marcela Moraes Manaus (AM)

Um grupo de moradores do bairro Vila da Prata, Zona Oeste de Manaus, realizou um protesto ontem, em frente ao único Complexo Esportivo do bairro, localizado na rua Santa Isabel. Eles reivindicam a reforma da quadra, que está há pelo menos sete meses interditada para uma reforma, que nunca foi concluída. Além disso, os moradores querem saber onde foi parar o valor de aproximadamente R$ 300 mil destinado à obra da quadra.

Morador do bairro há 23 anos, o jornalista Isac Shalon, 24, conta que a comunidade está lutando por esta causa, pois se trata do único complexo de lazer que os moradores têm, e que não foi reformado, como deveria. “Nós estamos pedindo por uma quadra melhor para a comunidade. Não é possível que gastaram 300 mil reais só em tinta. Quando chove essa quadra fica uma calamidade, inundando tudo. Nós temos dois grupos de ciranda, eles precisam ensaiar nessa quadra, mas como está interditada, isso fica praticamente impossível”, relatou.

Janaína Santos, 19, dançarina do grupo “Ciranda Princesinha da Vila”, disse que a quadra, o único local de ensaio da ciranda, por estar interditada por conta das obras, está comprometendo as apresentações da grupo. “Este é o nosso único local de ensaio dentro da nossa comunidade e não podemos usufruir. Que governo é esse que gasta um absurdo desse em tinta?”.

Além da prática de esportes, a quadra também era utilizada para várias atividades, entre elas os mutirões de saúde, que deixaram de ser realizados por conta da demora na reforma. “As crianças, adolescentes e jovens com idade de 6 a 18 anos que utilizavam a quadra para a prática de esportes não têm mais onde realizar suas atividades”, disse um outro morador, que não quis se identificar.

Outro problema relatado pelos moradores é que, além da sujeira que toma conta do local, parte do telhado foi recuperada com telhas reaproveitadas, que estão apresentando problemas, como vazamentos e goteiras. Além disso, as colunas que suportam o peso da cobertura estão comprometidas, já apresentando sinais de ferrugem.

Parada técnica

Em nota, a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) informou que a obra do complexo esportivo, está em “parada técnica” porque houve a necessidades de ajustes no projeto. “A secretaria aguarda o aditivo de serviço ser aprovado pela Procuradoria Geral do Município (PGM). Logo após, a Seminf emitirá a ordem de serviço para liberação do recurso e reinício dos serviços”, disse a nota.

Faltou dinheiro

O valor da reforma do Complexo Esportivo do bairro Vila da Prata é de aproximadamente R$ 300 mil e o prazo de conclusão era de 90 dias, mas até o momento as obras estão paradas por conta de ajustes no projeto e autorização de aditivo.

Publicidade
Publicidade