Terça-feira, 23 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Manaus

Moradores do Educandos aguardam a descida das águas rodeados por um ‘rio de lixo’

O cenário no bairro da Zona Sul de Manaus pode ser o mais crítico. Lá, centenas de pessoas tiveram suas rotinas alteradas pela cheia - e todo o lixo que ela levou ao local


26/05/2015 às 11:09

O chão onde todos circulam é feito de madeira e, abaixo dele, há muita água e lixo. Lixo esse que causa um cheiro nada agradável, atrai bichos transmissores de doenças como leptospirose e hepatite, mas que se transformou em um detalhe no cotidiano de várias famílias que decidiram continuar morando em suas casas na bacia do Educandos, Zona Sul. O cenário no bairro pode ser o mais crítico. Lá, milhares de pessoas tiveram suas vidas inundadas.

De acordo com a prefeitura, aproximadamente 775 famílias que moram na área tiveram as residências atingidas pela cheia. Como em todos os anos, há moradores que permanecem no local, adequando a estrutura com “marombas”, mudando móveis de lugar, ou até mesmo se arriscando, pisando em águas cobertas por lixo. “Graças a Deus estamos bem de saúde. De vez em quando dá uma ‘disenteriazinha’, mas dá pra viver”, diz o autônomo Moisés Progênio Magno, 37.

Natural de Codajás, ele, a esposa e o irmão aguardam a descida das águas ansiosamente. Enquanto isso, a mais recente “reforma” deve ser uma maromba construída por ele a fim de ganhar mais tempo contra a enchente. “Não gosto de viver aqui, quando vim pra cá sabia que seria assim... Mas o que eu posso fazer? Se eu tivesse um casarão, lógico que não ficaria aqui nem um dia”, lamentou.

Casas debaixo d’água

 Quem entra pelo beco Inocêncio de Araújo, no Educandos, e se depara com a realidade dos moradores, imagina que a população foi esquecida. As pontes, construídas pela prefeitura nas últimas semanas não dão conta das diversas vielas que ligam as casas a outros caminhos. A situação se agrava quando o fim das estruturas chega. Quando isso acontece, a única saída para sair e entrar em qualquer residência é se equilibrar em pedaços de paus e ripas frágeis.

Foi molhando o sapato que A CRÍTICA conseguiu entrar na casa de Mayane Souza Magalhães, 19. Desempregada, a dona de casa é mãe de dois filhos e mora com o marido, Dioni Soares de Souza, 37. Conforme ela conta, a casa deles já teve um andar inteiro tomado pela água, sendo que o outro piso também foi afetado.

O fogão de Mayane teve três bocas quebradas e, caso a água suba mais alguns centímetros, irá atingir uma geladeira “seminova” comprada pelo casal, que ainda paga as prestações.

Ao ser questionada sobre o que pensa ao pisar na água suja e transmissora de doenças, Mayane abaixa a cabeça e responde, em voz baixa: “Minha maior vontade é morar onde não alaga. Não podemos sair daqui porque não temos pra onde ir. Tenho dois filhos; um deles está com febre agora e a outra está com diarreia. Não sei o que fazer”.

Prosamim é sonho

De acordo com o presidente do Conselho Comunitário do Educandos, Alcide Castro, a área alagada é o local onde vivem 775 famílias.

Ele conta que o maior “sonho” da comunidade é a implementação do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim), que, segundo ele, foi uma das promessas de campanha do governador José Melo. “O sonho ‘educandense’ é o Prosamim”, pediu ele.

Três mil famílias atingidas pela cheia

Segundo a Defesa Civil do município, mais de três mil famílias foram atingidas diretamente pela cheia em toda a capital. Todas elas são moradoras de 16 áreas de Manaus, contudo, as mais afetadas são: São Jorge, Santo Antônio, Educandos, Cachoeirinha, Raiz, Betânia, Presidente Vargas, Aparecida, Centro, Mauazinho e Colônia Antonio Aleixo.

Na semana passada, a prefeitura iniciou o cadastramento de famílias moradoras de áreas alagadas. No Educandos, segundo o Conselho Comunitário, o processo está previsto para ocorrer hoje, amanhã e quinta-feira.

Ainda segundo a prefeitura, em casos onde a residência já está ou ficará alagada, as famílias serão removidas e entrarão na programação de recebimento do Auxílio Aluguel, da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semasdh). O valor geralmente fica em torno de R$ 400 e R$ 600, segundo informaram moradores das palafitas.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), os levantamentos dos primeiros quatro meses de 2015 mostram que não houve alteração no padrão epidemiológico das doenças de veiculação hídrica.

Famílias

A assessoria de imprensa do Prosamim informou que tem trabalhado desde 2003 no bairro Educandos desde a rua Maués até a av. Costa e Silva. Segundo o órgão, 631 famílias devem ser reassentadas até a finalização do projeto, que segue sem data para conclusão.

publicidade
publicidade
Moradores de Suzano lembram um mês do massacre em escola de São Paulo
Após tragédias, moradores do Educandos fazem apelo por obras do Prosamim no bairro
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.