Publicidade
Manaus
PROBLEMAS

Moradores do residencial Cidadão Manauara 1 reclamam da falta de segurança no local

Inaugurado pela Prefeitura há menos de um mês, local foi ‘dominado’ por invasores que ameaçam moradores 08/02/2017 às 11:53
Show 1192302
Principal reclamação dos moradores diz respeito a apartamentos vazios, que atraem invasores e usuários de drogas (Foto: Winnetou Almeida)
Isabelle Valois

Menos de um mês após a entrega dos apartamentos do residencial Cidadão Manauara 1, no bairro Santa Etelvina, Zona Norte, moradores convivem com problemas relacionados à falta de segurança do local. Mas, na avaliação deles, a insegurança está relacionada com o fato de muitos apartamentos ainda estarem vazios, apesar da demanda por habitação e da “superlotação” em alguns imóveis do residencial.

Os moradores afirmam que pelo menos 40% dos apartamentos ainda estão desocupados, o que vem atraindo invasores, especialmente do loteamento Piorini, na Zona Norte, que foram retirados recentemente de um terreno que fica ao lado do complexo de exame de direção do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-AM).

Para garantir que ninguém mais vai ocupar o imóvel, esses invasores improvisam uma “guarda” ao redor do residencial, inclusive consumindo entorpecentes e fazendo ameaças a moradores que pensam em denunciá-los. “Eles nos ameaçam e afirmam que irão fazer o inferno se nós o denunciarmos”, disse uma dona de casa, que não quis se identificar com medo de represálias.

Para ela, se há apartamentos vazios é porque os atendidos não precisam dos imóveis, que deveriam ser redistribuídos, uma vez que alguns apartamentos estão “superlotados”, com até 11 pessoas. “Por que eles não repassam outro apartamento para essas famílias? Não sei nem como eles conseguem dormir, deve ser um por cima do outro. Mas, que é estranho haver tantos apartamentos vazios, isso é”, disse.

Ela contou que a presença de policiais no residencial é muito rara. “Nossa preocupação é que há crianças no conjunto e não sabemos quem são essas pessoas que estão comercializando e utilizando drogas por aqui. Eles podem se aproveitar, levar as crianças para o mato que tomou conta daqui e fazer o que bem quiser. Isso tudo é preocupante”, comentou.

Contas

Outra preocupação apontada pelos moradores foram as primeiras contas de energia que chegaram. Eles disseram que desde, que foram contemplados com a nova moradia, haviam sido informados que tanto a água como a luz seriam tarifados.

“A água até que estão nos cobrando como tarifa, mas a luz não tem cumprido com o acordo. Tem morador que recebeu conta de mais de R$ 1 mil”, afirmou.

Beneficiários têm prazo de 90 dias para ocupar os imóveis

A construção do Residencial Manauara 1 custou R$ 56 milhões, entre recursos federais e municipais, e levou três anos. O empreendimento foi construído pela Prefeitura de Manaus, por meio do Programa Minha Casa, Minha Vida.

De acordo com a Subsecretaria de Habitação e Assuntos Fundiários da Casa Civil (Subhaf), os contemplados têm um prazo de 90 dias para ocupar o apartamento, por isso alguns ainda estão vazios. Mas se em 60 dias os imóveis não forem ocupados, os responsáveis serão notificados.

Sobre as reclamações relacionadas às contas de energia, a Eletrobrás Distribuição Manaus não se pronunciou até o fechamento desta edição.

Já a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-AM) informou que a responsabilidade de manter a segurança no residencial cabe à Polícia Militar, que também não apresentou resposta aos questionamentos da reportagem até o fechamento desta edição.

Publicidade
Publicidade