Segunda-feira, 17 de Fevereiro de 2020
ENCHENTE DE LIXO

Subida das águas do rio Negro já causa transtornos a moradores de Manaus

Moradores da orla da capital amazonense se preparam como podem a enchente deste ano



03/05/2017 às 05:00

Moradores e comerciantes de alguns bairros de Manaus, localizados às margens do Rio Negro, começam a sofrer com a cheia e a se mobilizar para salvar móveis e eletrodomésticos da subida das águas.

A expectativa é que 15 bairros sejam afetados este ano se a cota máxima chegar aos 29,95 metros previstos pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM). Ontem, a cota do Rio Negro atingiu 28,38 metros.



A dona de casa Eliza Oliveira, 57, começou a transferir móveis e eletrodomésticos, que ficavam no térreo da casa -  que fica localizada na rua da Glória, no bairro de Aparecida, Zona Sul - para o primeiro andar do imóvel. “A água já está beirando o assoalho e amanhã (hoje) com certeza já vai ‘tá’ cobrindo o piso. Vamos tentar salvar o máximo que der”, disse.

Apesar da preocupação, ela espera que a cheia deste ano não cause tantos estragos como nos anos anteriores. “Eu torço para não sofrer tanto como nas cheias históricas, quando a água cobriu toda a parte de baixo da minha casa. Ela é bem alta, nós estamos a mais de 10 metros do chão, mas é melhor prevenir já que não temos ajuda de ninguém”, lamentou.

No bairro de Educandos, Zona Sul da cidade,  a dona de casa Kezia de Souza, 42, também começou a construir prateleiras para subir os móveis. Ela mora há mais de 20 anos no mesmo local e disse que sempre sofre com a cheia dos rios, mas não tem outro lugar para viver. “Hoje (ontem) a gente percebeu que já tinha que começar a subir os móveis e vamos ver o que a gente salva, todo ano é esse sofrimento. Minha casa sempre fica debaixo d’água”, revelou.

Para entrar e sair de casa, a dona de casa utiliza uma ponte de madeira, que foi construída há duas semanas pela Prefeitura de Manaus, mas já começa a ficar debaixo d’água, obrigando os moradores a terem contato com a água poluída. “É o único meio de chegar em casa, mas a gente fica com medo porque com a cheia dos rios e a força das águas fica tudo muito frágil”, contou.

A moradora disse que, apesar do sofrimento, a maioria dos moradores não tem outro local para se abrigar, por isso fazem o possível para salvar o máximo que podem. “Não temos condições, mas a gente se ajuda como pode construindo pontes e até subindo os assoalhos das casas”, disse.

Medidas anti-prejuízo
Comerciantes da rua dos Barés,  no Centro, também começaram a investir em estruturas para colocar as mercadorias, pensando na possibilidade de invasão das águas. O vendedor Marlyson Nunes, 22, contou que, na loja Imaq Máquinas e Motores, o patrão dele se prepara para não ter prejuízos como em anos anteriores. “Ele comprou mais prateleiras para subir as máquinas  para evitar de sermos surpreendidos pelo rio”, disse.

 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.