Publicidade
Manaus
Fizeram barricada

Moradores fecham a av. Grande Circular em protesto contra a falta de água

Os manifestantes fizeram uma barricada incendiando pedaços de madeira e plástico na pista, impedindo o tráfego de veículos 23/11/2016 às 21:05 - Atualizado em 23/11/2016 às 21:39
Show a6b36297 d5c7 49eb 9780 af19d07a1549
Segundo eles, o fornecimento do serviço está irregular há cerca de seis meses (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)
Vinicius Leal

Um grupo de moradores do bairro Tancredo Neves, na Zona Leste de Manaus, interditou um trecho da avenida Grande Circular, no sentido Centro/bairro, em direção à rotatória Bola do Produtor, durante uma manifestação contra a falta de água na comunidade. Segundo eles, o fornecimento do serviço está irregular há cerca de seis meses.

“Estão há seis meses sem água. Só tem água quando dá numa bomba de uma senhora lá. Eles enchem os tanques e utilizam”, explicou Cecília Oliveira Viana, 21, também moradora do bairro Tancredo Neves. Segundo ela, o protesto começou por volta de 18h30, quando os manifestantes fizeram uma barricada incendiando pedaços de madeira e plástico na pista, impedindo o tráfego de veículos. Os carros passavam pela lateral do grupo.

“Eles fecharam a via pedindo por água e disseram que só sairiam quando a imprensa chegasse. Só que até a hora que eu saí de lá ninguém apareceu lá”, disse Cecília. De acordo com a moradora, a Polícia Militar foi acionada, mas cometeu excessos. “Os policiais não deixaram manifestar, estavam agressivos. Para mim, em manifestação a PM tem só que controlar para não virar bagunça, mas eles partiram para cima dos manifestantes”, contou.

Uma equipe do Corpo de Bombeiros também compareceu ao local para combater e apagar o fogo na barricada. “A viatura apenas fez a extinção das chamas e retornou ao posto”, disse o soldado Denis Ferreira, dos bombeiros.

A reportagem entrou em contato com a concessionária de água Manaus Ambiental solicitando uma resposta sobre a denúncia dos moradores de interrupção no fornecimento do serviço há cerca de seis meses, e espera uma resposta.

Publicidade
Publicidade