Publicidade
Manaus
COLÔNIA ANTÔNIO ALEIXO

Moradores 'plantam' bananeiras em protesto por falta de infraestrutura na Zona Leste

Pelo menos cinco pés de banana pacovã e mamão sinalizam crateras existentes nas vias do bairro. Apesar disso, prefeitura informou que iniciou ações na área nesta semana 09/03/2018 às 09:11 - Atualizado em 09/03/2018 às 09:26
Show bananeira
(Fotos: Márcio Silva)
Paulo André Nunes Manaus (AM)

A insatisfação da população com a ausência de serviços públicos essenciais como segurança, asfaltamento e limpeza por vezes se torna revolta com misto de ironia, numa resposta clara ao poder público de que algo efetivo precisa ser feito, e não apenas paliativos. Um exemplo é o que está ocorrendo em algumas ruas do bairro Colônia Antônio Aleixo, na Zona Leste, onde os moradores começaram a “plantar” mudas de banana pacovã e mamão nos buracos existentes em algumas das vias daquela localidade.

Uma das ruas com a maior concentração de mudas de frutas é na do Amor, uma das principais do bairro, onde a reportagem constatou cinco pés de bananeira, além de intensa concentração de matagal e lixo no local. A via também sedia o curioso cemitério Santo Alberto, um dos menores da capital amazonense, cujo muro está quebrado.

Segundo denúncias, outros pés de mudas haviam sido plantados anteriormente nas ruas Nova Esperança, Francisco de Abreu, Manoel Matias e rua Nova, mas ontem reportagem não encontrou exemplos desse protesto. Em outra rua, a Menandro Tapajós, havia uma bananeira, só que arrancada e jogada ao chão.

“Plantamos bananeiras aqui na rua porque não aguentamos mais essa situação. A prefeitura não vem resolver o problema dos buracos, da lixeira e desse cemitério. Já postamos até na Internet, mas nada ficou resolvido ainda”, disse a dona de casa Maria Antônia Alves de Souza 33, que mora próximo ao local onde um pé da fruta foi “plantada”.

Em outra imediação da própria rua do Amor, a situação ainda é mais irônica: a população plantou um total de quatro bananeiras. Segundo o comerciante Manoel Feijó Rodrigues, que reside há 37 anos no local, o inconformismo é grande com o poder público municipal. “O pessoal decidiu plantar essas bananeiras aí porque a insatisfação é grande e a situação alarmante. A prefeitura deveria vir tapar esses buracos. Sugiro, também, que façam um quebra-mola (redutor de velocidade) nesta pista, principalmente para as crianças”, disse ele.

Cronograma

Em nota, a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) informou que desde o início desta semana iniciou ações no bairro. “Já atuamos nas ruas Danilo Areosa, Getúlio Vargas e Buriti. As ruas do Amor e demais solicitadas serão atendidas na sequência”, afirmou.

A reportagem também contatou a Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) sobre o lixo e a responsabilidade com o estado deplorável do muro do cemitério, mas não recebeu posicionamento do órgão até o fechamento desta edição.

Ação ‘tapa-buracos’

Na nota encaminhada à redação, a Seminf sustentou que o município tem investido na manutenção da malha viária da cidade, tratando sua infraestrutura como uma prioridade. “Somente nos dois primeiros meses de 2018, a prefeitura já recapeou mais de 19 quilômetros de vias. Entre elas, grandes corredores viários”, destacou. “Já os serviços de tapa-buracos, nos primeiros meses do ano, a Seminf realizou, aproximadamente, 781 mil metros quadrados de serviço, que atingiram mais de 1,2 mil vias”, ressaltou.

Para melhorar as condições de trafegabilidade no período das fortes chuvas, a prefeitura destacou que, na última segunda-feira, retomou os serviços de mutirão de tapa-buracos. Os trabalhos começaram pelo bairro Cachoeirinha, Zona Sul.

Publicidade
Publicidade