Publicidade
Manaus
Protesto

Moradores protestam contra construção de aterro sanitário próximo a igarapé

Eles dizem que a obra no local traz consequências ambientais gravíssimas e irreparáveis ao igarapé do Leão 25/09/2016 às 15:39 - Atualizado em 25/09/2016 às 15:43
Silane Souza Manaus (AM)

Moradores do Portal do Caribe I e II e do entorno do quilômetro 13 da BR-174, promoveram na tarde deste domingo (25) uma manifestação contra a construção de um aterro sanitário nível II no quilômetro 13,5 da rodovia federal. Eles dizem que a obra no local traz consequências ambientais gravíssimas e irreparáveis.

A responsável pelo movimento, Graça Abelinha, afirmou que a área em questão encontra-se às margens do igarapé do Leão, o qual é nascente do rio Tarumã, com acesso pelo quilômetro 10 da BR-174. "O aterro sanitário nesse local levará a poluição definitiva dos igarapés, nascentes, lençóis freáticos, poços artesianos, entre outros".

Além disso, haverá também a desvalorização das propriedades próximas ao aterro, conforme Graça. "Esses danos se estenderam por outras partes da cidade, banhadas pelo rio Tarumã, que ficarão com o fluxo de água completamente poluído a começar pelos balneários existentes no quilômetro 11 da BR-174, onde passa o igarapé do Leão".

O agricultor Roberto Alfaia, 47, destacou que as consequências da construção do aterro sanitário na cabeceira do igarapé do Leão são visíveis. "A área onde o empreendimento está sendo feito foi toda desmatada. A água do igarapé era preta, agora está ficando barrenta. O pior é quando chove que não dar bem para tomar banho de tão feia que a água fica", disse.

O aterro sanitário está sendo construído pela construtora Marquise em parceria com a Prefeitura de Manaus. O local do empreendimento abrange uma área de 133,6 hectares.

Publicidade
Publicidade